Rádio Observador

Eleições Europeias

Vamos mas é votar no Berardo! /premium

Autor
565

Joe Berardo é só o rosto visível de uma classe empresarial espertalhona e sempre colada ao poder e encostada ao Estado, servindo-se mutuamente numa simbiose de interesses que os contribuintes suportam

Os Portugueses não querem saber das eleições europeias para nada. E estão no seu direito – é lamentável, é irresponsável, é perigoso, mas é o seu direito.

É certo que os debates televisivos e a campanha agressiva e apalhaçada dos partidos não ajudam a criar motivação para ir às urnas, mas a culpa da abstenção não é dos políticos, ao contrário do que se diz para aí. A culpa da abstenção é de quem se abstém, que acha que a eleição não lhe diz respeito ou que o seu voto é irrelevante. Simplesmente, não lhe interessa “a política”, “os políticos”, “o sistema” e muito menos os assuntos “europeus”.

Trata-se a meu ver de um reflexo da cultura democrática do nosso país, que promove activamente a irrelevância e o desinteresse cultural, político e cívico através da oferta massificada da monocultura do futebol e da distribuição a torto e a direito de pão e circo visando a criação de uma plateia acrítica.

Inspirado pelo outro lado do Atlântico, proponho uma nova narrativa (como agora é moda dizer). Lance-se um candidato do mundo dos negócios (desses que sabem fazer em vez de falar), mostre-se a história do homem e as suas semelhanças com o herói do povo – Cristiano Ronaldo -, o nascimento pobre numa ilha remota e sem futuro, a emigração para a distante África, a conquista a pulso, primeiro devagar e depois com exuberância, acrescente-se uma dose de negócios especulativos com diamantes e malas de dinheiro à mistura, apaziguem-se as elites com flutes de champagne e obras de arte contemporânea e as “tias de Cascais” com um fato preto sempre de corte impecável e negócios de herdades e vinha que têm sempre distinção. Faça-se isso e temos o candidato e a narrativa perfeitas.

A seguir, convide-se um Bannon da vida a escrever o discurso e a fazer a propaganda certa nas redes sociais e voilà! Ninguém resistirá a Berardo e ao seu slogan “Make Portugal Great Again”.

Quantos votos teria? Quantas almas o endeusariam? Quantas entrevistas e capas de jornal daria? E não me venham com a tese do respeito e dos risos e dos calotes!

Recordemos a verdade para depois a voltarmos a esquecer rapidamente: o homem queria dinheiro para investir (designadamente em acções) foi à banca pedir e esta emprestou-lhe sem garantias. Top!

Entretanto, o Governo de José Sócrates decidiu criar um museu de Arte Moderna e Contemporânea, aproveitando o acervo do senhor comendador, e para isso criou um museu com o seu nome e até se comprometeu a pagar (o Estado, claro está) as despesas de funcionamento da respetiva fundação. Top!

E se Sócrates o terá usado como peão no jogo de interesses que visava manter o controlo da Portugal Telecom (alguém ainda se lembra do que isso era?) e ter mão no BCP, paciência… Eu lembro-me de ver Berardo entrar na Assembleia Geral da PT debaixo de bandeiras vermelhas agitadas por sindicalistas e simpatizantes do PCP, que o saudavam como o capitalista vermelho, e de o ver pisar uma passadeira vermelha mais do que uma vez para receber as sucessivas medalhas que correspondiam a tão fiel comportamento. Top!

Parece que o Sr. Berardo ficou, pelo caminho, a dever umas centenas de milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos (sem curar dos outros bancos) e foi chamado a uma Comissão de Inquérito parlamentar onde fez o seu número habitual do clown ingénuo, trapalhão e esquecido – que nos tempos de Sócrates tanto enternecia o país.

Se Bannon cá estivesse, essa teria sido a rampa de lançamento da campanha – o homem despreza o sistema, os políticos e toda essa turba e ainda por cima se safa com um sorriso. Que delícia!

Como não deu jeito nesta fase, a classe política diligente tratou de o enxovalhar publicamente, insultando-o diariamente, sendo que as pedras mais pontiagudas vieram daqueles que no Governo Sócrates lá estiveram nos museus, nas vernissages e nos jantares da Bacalhoa.

Claro que este é um artigo de ficção, mas fica aqui um alerta. Os que hoje se regozijam dizendo que Portugal está imune ao populismo são os mesmos que plantam as sementes da desertificação e do desinteresse e que escancaram as portas ao aparecimento de um Trump Português.

Joe Berardo é aqui o que menos interessa. É só o rosto visível de uma certa classe empresarial espertalhona e permanentemente colada ao poder e encostada ao Estado, servindo-se mutuamente numa simbiose de interesses cuja fatura é sempre atirada para a frente e sempre paga pelos contribuintes sujeitos à mais brutal carga fiscal de que há memória em Portugal.

Suspeito portanto, por tudo isto, que os eleitores não enjeitariam aplaudir o homem de “mérito”, que subiu a pulso, que se fez rico à custa das falhas do sistema. Do mesmo sistema que os esmaga e os oprime com impostos, serviços públicos de baixa categoria e operações stop da GNR para cobrar dívidas ao fisco de arma em punho, penhorando automóveis – esse sistema do qual gostariam de se vingar secretamente.

Comendador! Comendador! Candidate-se por favor!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

A culpa é do mexilhão! /premium

Luís Reis
316

Sempre que formos bombardeados por uma qualquer intervenção do PS com a a cartilha de Costa, só temos de repetir, contritos, conformados e de cabeça baixa: Por minha culpa. Por minha tão grande culpa!

Rui Rio

Por este Rio abaixo! /premium

Luís Reis
303

Rio autopromoveu-se para além do limiar da sua incompetência, mas não para além do seu ego. O Princípio de Peter pode ser agora rebaptizado: o Princípio de Rio. Esse Princípio será também o seu fim.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)