Companhias Aéreas

Cerca de 8 mil passageiros que viajaram para Portugal pela Monarch regressaram ao Reino Unido

8 mil passageiros da companhia aérea britânica Monarch, que faliu, já voaram de Portugal para o Reino Unido. Restam 2 mil que devem viajar nos próximos dias.

Esta foi a maior falência de uma companhia aérea de sempre no Reino Unido

NEIL HALL/EPA

Cerca de 8 mil passageiros que viajaram para Portugal pela companhia aérea Monarch, que faliu na semana passada, já regressaram ao Reino Unido graças à operação montada pelo Governo britânico, informou esta terça-feira a Autoridade para a Aviação Civil britânica (CAA).

Um porta-voz indicou à agência Lusa que, até agora, cerca de 8 mil passageiros regressaram dos quatro aeroportos que a Monarch servia (Lisboa, Porto, Faro e Funchal), restando 2 mil, que deverão viajar nos próximos dias.

Os passageiros em questão incluem britânicos, portugueses ou cidadãos de outras nacionalidades que tenham iniciado a sua viagem no Reino Unido em direção a Portugal.

Ao todo, 110 mil passageiros da Monarch Airlines foram confrontados com a insolvência da transportadora, declarada a 2 de outubro, quando se encontravam no estrangeiro.

O ministro dos Transportes, Chris Grayling, revelou na segunda-feira no parlamento que 80 mil, cerca de 75% do total, já estão de regresso ao Reino Unido.

A pedido do Governo britânico, a CAA fretou aviões e programou cerca de 700 voos para um período de duas semanas sem custo adicional para os passageiros.

Normalmente, só as viagens cobertas pelo esquema de proteção das agências de viagem seriam incluídas, mas o Governo decidiu intervir por receio de que milhares de britânicos ficassem retidos no estrangeiro.

“Esta foi a maior falência de uma companhia aérea de sempre no Reino Unido e a capacidade no mercado da aviação comercial teria sido insuficiente para permitir aos passageiros regressarem a casa usando outras transportadoras”, justificou o ministro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Panteão Nacional

O sacrossanto panteão de Santa Engrácia

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
112

Se a república é laica, porque se apropriou de uma antiga igreja católica para seu panteão nacional? O laicismo não é capaz de arranjar um espaço próprio, onde sepultar os seus próceres?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site