Portugal 2020

Cronocentrismo ou o futuro mais que perfeito

Autor

É preciso encarar o presente com cautela e determinação, obrigando nomeadamente quem nos determina o rumo a governar sem demagogias nem súbitas amnésias sobre o que futuro pode trazer.

A tendência, muito humana, de pensar no presente como o melhor de todos os tempos é simétrica da tendência oposta, também muito humana, de mitificar o passado, ou um qualquer tempo em concreto situado no passado.

As duas tendências são compreensíveis, nenhuma delas faz sentido em termos absolutos. Mas ambas, à sua maneira, têm vindo a ganhar expressão como argumentos, seja em conversas privadas seja em debates no espaço público, sobre políticas públicas, por exemplo.

O presente que vivemos é o melhor dos tempos e nenhum se lhe compara. “O melhor tempo é o presente” é, aliás, o título de um romance da prémio Nobel Nadine Gardiner, título cruelmente desmentido pelo conteúdo do livro. E um tempo passado, um qualquer que convenha ao autor do argumento de ocasião, alberga a idade de ouro da humanidade.

Ora se nenhum tempo é melhor que outro qualquer, todos são melhores do que ter tempo nenhum. Isto aplica-se ao momento que vivemos, ao país que somos, às alianças que estabelecemos.

O país corre ligeiro e ufano sob o vento fresco (apesar do calor) das hordas de turistas que nos visitam, em busca do bom tempo, da disneylândia das cidades, da segurança, sobretudo da segurança. A confiança cresce à sombra do “milagre económico” perpetrado, dizem, pelo Mourinho das Finanças, o nosso ministro da mesma pasta; e somos, sentimo-nos, invencíveis, ganhamos festivais da canção, campeonatos da Europa, regatas de remo na mão. Temos o melhor jogador de futebol do Mundo (até é verdade). E mesmo a Europa se rendeu, dispondo-se a retirar-nos de vergonhosos índexes como o dos défices excessivos.

No plano europeu, também a União Europeia fez do presente o melhor dos tempos: e Trump arrisca a impugnação, e Wilders e Le Pen chocaram contra o muro dos seus limites ideológicos, e May arrisca-se a terminar em Junho, como escrevi numa crónica recente. E o eixo franco-alemão promete regenerar a união, Merkel talvez vença outra vez e Macron ganha uma maioria absoluta com um partido criado há um ano. Um recorde.

É o melhor tempo de sempre, é o nosso tempo de hoje.

E contudo… não há muito, batemos no fundo. Portugal afundou-se numa crise com tanto de endógena – crescimento anémico, endividamento, escassa produtividade, instituições extractivas que nos empobrecem – como de exógena, à razão de uma zona euro em que entrámos impreparados e da falência do sistema financeiro global. A UE, por seu lado, estava à beira da implosão, com o fim vaticinado semana sim semana também pelos eurocépticos; nesse tempo, e foi há pouco tempo, lembravam-se tempos míticos mais prósperos, pacíficos e felizes. Tempos que nunca existiram; mas lembrá-los como se tivessem sido era a forma eficaz de criticar um presente em que as promessas antigas feneciam. Um tempo de visões derrotistas, passadistas, de ideologias nacionalistas e protecionistas, de xenofobia e de medo.

“Dantes é que era bom”. Não era, claro. O que era, como é, era o eterno desconcerto humano, o permanente e nunca terminado confronto entre quem manda e quem obedece, quem tem e quem pouco tem, quem vive feliz – ou resiste – e quem já desistiu de ser feliz, ou de resistir.

“Era o melhor dos tempos, era o pior dos tempos, era a idade da sabedoria, era a idade da loucura, era a época da confiança, era a época da incredulidade, era a estação das Luzes, era a estação das Trevas, era a primavera da esperança, era o inverno do desespero, tínhamos tudo à nossa frente, íamos todos directos ao Céu, íamos todos na outra direcção” (Charles Dickens, no célebre A Tale of Two Cities). Era assim e assim é, pouco mudou a natureza humana.

O país feliz de hoje, com a economia a crescer e um sentimento de confiança e triunfo, é o mesmo que há poucos anos se afundava na angústia, vergado a uma receita de austeridade e empobrecimento sem retorno aparente; a Europa esperançosa de hoje, com a promessa do relançamento da integração europeia, da reforma da zona euro e de um brexit que reforce a coesão dos restantes membros, é a mesma que há 12 meses nos diziam estar à beira do fim.

Mas nem o país feliz de hoje vai continuar feliz para sempre, nem a Europa que promete, mas treme sob a ameaça do terrorismo, da imigração sem controlo e da corrupção das elites (de algumas), têm a estabilidade e a integridade garantidas. É preciso encarar o presente com cautela e determinação, obrigando nomeadamente quem nos determina o rumo a governar sem demagogias nem súbitas amnésias sobre o que futuro pode trazer. Porque se o futuro ainda não foi, ele será o que dele fizermos, nem melhor nem pior do que outro tempo qualquer. Nele, esse lugar desconhecido, habitaremos pelo resto das nossas vidas.

E é Agora. Quando tudo corre bem ou, pelo menos, corre melhor. É agora que é preciso agir, criar condições para não se voltarem a repetir as crises do passado. Não queremos mais austeridade, e por isso não devemos permitir que cresçam de novo as bolhas do endividamento, do crédito desenfreado, das despesas públicas sem controlo; sobretudo, neste país ainda tão frágil e tão relativamente pobre, devemos expurgar de uma vez por todas, para sempre, os fenómenos da corrupção, do nepotismo, da desregulação.

E também na Europa, neste continente que é nosso, com os nossos parceiros, onde a integração dos mercados, a convergência das políticas, a solidariedade dos povos, se viram para já afastado o espectro do desmoronamento, continuam ameaçadas, é preciso agir. E Portugal, com a sua antiga tradição de mediação, com o cosmopolitismo dos seus quase 900 anos, com a experiência e a qualidade das suas gentes, pode desempenhar um papel crucial na reconstrução de uma União verdadeiramente solidária, factor de paz e progresso.

Este presente não é o melhor de todos os tempos para Portugal e para a Europa. O nosso passado não esconde nenhum segredo inconfessado de tempos incomensuravelmente felizes. Vivemos o presente a construir o futuro perfeito que queremos para os nossos filhos.

Se o presente e o passado não albergam o melhor dos tempos, talvez o futuro nos sorria. Só depende de nós e de quem nos governa. É um lugar-comum, deve ser verdadeiro.

Acreditemos na sabedoria dos velhos marinheiros: toda a bonança tem um fim. Mas há sempre um porto à proa do navio que conhece o seu rumo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sociedade

Um raríssimo Portugal

Paulo de Almeida Sande
332

Somos o povo acomodado, que exprime a angústia latente da bondade resignada, convencido de estar destinado à subalternidade, um povo submisso, que emula o estrangeiro e desdenha o nacional. 

Eurogrupo

Os três chapéus de Mário Centeno

Paulo de Almeida Sande
140

São inquestionáveis as qualidades de um povo tão abundante na gestação de competências acima da média, porque só pessoas acima da média podem aspirar a ser presidentes de organizações internacionais.

Morte

O homem perante a morte

Paulo de Almeida Sande
202

Mas tremo, perplexo perante uma sociedade que vive cada vez mais depressa a esconder de si própria a única realidade indiscutível. Não, meus amigos, nenhum de nós viverá eternamente.

Sociedade

Um raríssimo Portugal

Paulo de Almeida Sande
332

Somos o povo acomodado, que exprime a angústia latente da bondade resignada, convencido de estar destinado à subalternidade, um povo submisso, que emula o estrangeiro e desdenha o nacional. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site