Logo Observador
Orçamento 2016

Quanto nos custa (em aumento de impostos e de preços) o sonho de Costa?

Autor
1.856

A geringonça tem apenas legitimidade formal e nenhuma legitimidade política e popular. Se a a Comissão foi dura com quem tinha essa legitimidade, que fará com uma geringonça dependente de clientelas?

O caro leitor lembra-se da novela, estilo venezuelana, da Grécia do ano passado, não lembra? O Syriza ganhou as eleições legislativas há um ano, mais dia menos dia, e elegeu como missão afrontar a União Europeia. A meio caminho Tsipras convocou um referendo a uma proposta da UE, e ganhou-o de forma estonteante. Porquê o referendo? Porque Tsipras sabia que o seu poder negocial aumentaria se estivesse legitimado por uma vitória eleitoral. E aqui chegamos à importância que tem ganhar eleições. Eu sei que o conceito ‘ganhar’ e é de difícil assimilação pelos socialistas – de resto nas duas margens do Atlântico; Bernie Sanders, candidato socialista às primárias democratas dos Estados Unidos, também não reconheceu a derrota no Iowa – todavia tentemos.

O facto de governar quem é mais votado não é apenas uma convenção aleatória para determinar vencedores. As vitórias atribuem-se assim porque o número de votos – e de eleitores – é de onde vem a legitimidade do poder. António Costa, porventura no seu único momento de lucidez da última década, percebeu-o bem quando disse que não queria ganhar por poucochinho: uma vitória esmagadora é muito mais legitimadora que uma vitória tangencial. E uma derrota não é de todo legitimadora.

A geringonça tem apenas legitimidade formal e nenhuma legitimidade política e popular. Ora quem não vai deixar de relevar o facto de sermos governados por perdedores é a Comissão Europeia. Se foi dura com quem jogou tudo e tinha um país, contado em votos, quase inteiro por trás, o que fará a CE com uma geringonça periclitante que durará só enquanto continuar a pagar às clientelas sindicais do PCP?

(De resto o PCP já nem disfarça que não é o senhor do castelo: já temos a Fenprof a anunciar as medidas políticas sobre professores com horário zero que escapam à mobilidade. Qualquer dia nem se darão ao trabalho da viagem até ao ministério da educação para negociações; enviam um email ao ministro com o comunicado que dentro de horas fornecerão aos media e está feito. Isto se lhes apetecer serem corteses, que podem muito bem avisar só as horas em que aparecerão na televisão a anunciar a política educativa nacional.)

Por isso a bazófia tonitruante de Costa e Galamba são para consumo interno, e a exigência esganiçada de Catarina Martins para que Costa bata o pé à Comissão Europeia é uma encenação para enganar os tolos.

Mas perante o conto entre o terror e a ficção científica em versão folhetim de revista que é o OE para 2016, o que se espera? O mais grave nem é a novela de pretenderem que não conte para o défice estrutural um aumento permanente da despesa, com uma argumentação extravagante acusando o anterior governo do mesmo que fez a dupla maravilha Sócrates e Teixeira dos Santos (então sem achaques socialistas).

O mais grave é o aumento de impostos que o PS e os aliados de esquerda preparam. Lá por não terem a candura de Gaspar com o seu enorme aumento de impostos, e sonsamente referirem uma ‘atualização’ fiscal, não tira nada ao pecado, só lhe acrescenta hipocrisia. O piadista de serviço, perdão, o ideólogo do momento do PS, Porfírio Silva entretanto já foi buscar uma ladainha própria dos neoconservadores durante a guerra do Iraque, opinando que ‘a direita portuguesa esqueceu-se do patriotismo’, só porque, presume-se (onde já se viu a oposição ter tal veleidade), critica o OE2016 com a UE a ouvir. Por isso já sabem: é aceitar os aumentos de impostos de cara alegre, se não são traidores à pátria. Perdão, esqueci-me da maiúscula: Pátria.

Claro que o argumento (se alargarmos o conceito bastante para lhe dar este epíteto) é ‘aumentamos só os impostos aos «ricos» e aos bancos’. À parte essa entidade mítica que são «os ricos» por cá equivaler à classe média alta, o leitor que comprar este argumento deve ganhar juízo. Como aumentar os impostos sobre o rendimento dos «ricos» não será suficiente – não se está mesmo a ver Centeno ter força dentro do governo para impor contenção orçamental? – os impostos sobre o consumo (chegaremos ao IVA) serão chamados à liça. Já está prometido aumento no imposto de selo sobre o crédito ao consumo, no imposto sobre combustíveis e sobre tabaco.

Agora pense bem: quem vai pagar este acréscimo de imposto de selo? Quem necessita de se endividar para adquirir um certo bem de consumo ou quem consome com o seu dinheiro corrente? E quem acha que gasta em IVA (ou ISP) maior percentagem do seu rendimento? Quem ganha pouco e gasta todo o seu rendimento em consumo (porque não consegue poupar) ou quem usa 40% do seu rendimento em consumo e o resto aplica em produtos financeiros? Pois é: os impostos ao consumo penalizam mais os menores rendimentos. E o aumento do preço de TODOS os produtos (transportes públicos lá no meio) à solta no mercado, induzido pelo aumento do ISP, também afetará só «os ricos»?

Mas não haja agravos: as clientelas partidárias do PS, PCP e BE vão ter os seus rendimentos aumentados, sustentados por estes maiores saques fiscais a quem vive desligado destes partidos e do estado. Nunca vi mais escancarada transferência de rendimentos de um grupo para outro. Orquestrada por um governo. Foi a isto que Friedrich Hayek chamou de ‘caminho para a servidão’. Graças ao PS, seremos escravos das clientelas da geringonça. Saravá, é o ‘tempo novo’.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Panama Papers

O fim do socialismo (se fôssemos inteligentes)

Maria João Marques
1.378

A Venezuela está finalmente liberta da tirania dos luxos capitalistas (aquilo que por cá chamamos bens de primeira necessidade). Estou à espera que os jornalistas peçam comentários ao Bloco e a Louçã.

Extrema Esquerda

Absurdos: o privilégio da esquerda

Maria João Marques
839

Não é só na academia que nos impingirem as aldrabices do lado certo da história: alguns jornais ditos de referência parecem panfletos do BE e do PS camuflados e exibem o mesmo (de)amor à verdade.

pacheco pereira

Voando sobre um ninho de cucos

Maria João Marques
660

Tomando só as pessoas funcionais de direita existentes nos meios de comunicação social, as generalizações de Pacheco Pereira têm uma adesão à verdade parecida com a que Sócrates costuma evidenciar.

Startups

Empreendedores por conta de outrem

João Cândido da Silva

Empreendedores são todos aqueles que, mesmo trabalhando por conta de outrem, partilham o risco e são partes interessadas no sucesso do projeto. 

espiões

Com espiões não se brinca

José Milhazes
139

Portugal tem uma experiência dolorosa de relação com espiões russos, pois é bom não esquecer que, no PREC, o KGB conseguiu desviar, com o apoio do PCP, parte dos arquivos da nossa inteligência militar

Casa Branca 2016

Trumpuzzle

Paulo de Almeida Sande

Trump é Trump. Tudo o que diz, desdiz e rediz, sem prometer e se comprometer, tem por fundamento primeiro de credibilidade a sua vontade e a força que ela carreia. “I am what I am".

Comércio

TTIP, a demagogia e o bom senso

José Conde Rodrigues

Ser contra a globalização económica, financeira e cultural é, para muitas elites europeias, pôr em causa os valores que fundam e sustentam o Ocidente, nomeadamente, a forte ligação aos EUA.

portugal 2020

Que seria do mundo sem os portugueses

Laurinda Alves
356

Passamos a vida a identificar boas práticas e boas notícias de gente de fora que nos fascinam por uma razão ou outra, mas esquecemo-nos de que nós, os portugueses, estamos sempre a fazer história.

Governo

Falsos siameses

Maria João Avillez
159

Não só é preciso acabar com a (boa) herança deixada pela coligação PSD/CDS como sobretudo corromper o prestigio dessa memória. Um dois em um: desfazer o património, apagar a sua memória. Está em curso

Hospitais

O panóptico do Rilhafoles

Luis Carvalho Rodrigues

O panóptico, ou Pavilhão de Segurança, foi construído para acolher os “alienados criminosos” que, como disse um colega de Bombarda, Júlio de Matos, não podiam ser misturados com os “alienados comuns".