Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os Estados Unidos da América já lançaram um ataque aéreo no Iraque, contra os membros do grupo extremista Estado Islâmico (ISIS), que se encontram a cercar uma montanha onde estão refugiados 40 mil iraquianos da minoria curda yazidi. A informação foi dada pelo porta-voz do Pentágono através do twitter.

O ataque foi dirigido ao arsenal dos jihadistas do ISIS, que estava a ser utilizado contra as forças curdas que estão a defender o norte da cidade de Irbil, cidade onde se encontra um destacamento militar norte-americano. Dois caças F/A-18 lançaram bombas guiadas a laser que atingiram baterias de artilharia automotora do ISIS.

iraq-slider-map-2-2-522x293

Créditos: SkyNews

Barack Obama, presidente dos EUA, considerou esta sexta-feira que as ameaças contra os refugiados iraquianos podem ser vistas como um potencial “genocídio” e explicou que autorizou os ataques aéreos limitados com o objetivo de auxilar as forças iraquianas a romper o cerco dos membros do grupo islâmico e de proteger os civis que se encontram presos na montanha Sinjar.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Quando nos confrontamos com uma situação como esta, com pessoas inocentes a enfrentar a perspetiva de violência numa escala horrível e nós temos um mandato para ajudar – neste caso, um pedido do governo iraquiano – e quando temos capacidades únicas para agir de modo a evitar um massacre, eu acredito que os Estados Unidos não podem fechar os olhos”, disse o presidente norte-americano. “No início da semana, um homem iraquiano disse que ninguém os iria ajudar. Bom, hoje a América está a caminho com a ajuda”, acrescentou.

Esta sexta-feira, a Federal Aviation Administration proibiu todos os voos comerciais de entrarem no espaço aérea iraquiano. A British Airways, cerca de uma hora depois, também anunciou a “suspensão temporária” de todos os voos que previssem sobrevoar o Iraque.