Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O missionário espanhol Miguel Parajes, contaminado com Ébola na Libéria, aceitou ser tratado com ZMapp em Madrid, o primeiro tratamento a ser testado em norte-americanos infetados em África depois de bons resultados em macacos.

O Ministério da Saúde deu autorização especial para a importação da Suíça do medicamento americano, graças a um acordo entre o laboratório que fabrica o medicamento, a Organização Mundial da Saúde e a ONG Médicos sem Fronteiras. De acordo com o El Pais, o ZMapp foi importado para a Espanha graças a uma legislação específica que permite o uso de substâncias não autorizadas em doentes em risco de morte. Só se avançou com o tratamento no missionário de 75 anos depois de o médico lhe ter pedido autorização.

O padre espanhol Miguel Pajares e a freira de origem espanhola Juliana Bonoha foram repatriados na quinta-feira para Espanha. Ambos estão internados no Hospital Carlos III de Madrid, embora Juliana Bonoha não esteja infetada. A freira congolesa Chantal Pascaline, que trabalhava com Miguel Pjares na Libéria, morreu este sábado.

A família de Miguel Pajares confirmou que se encontra estável e sem sofrer hemorragias. No entanto, as autoridades mostram-se cautelosas sobre os efeitos do medicamento, já que ainda não se conhecem os efeitos secundários.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Organização Mundial de Saúde declarou na sexta-feira o estado de emergência internacional devido à epidemia do ébola na África Ocidental, depois de uma reunião de dois dias do Comité de Emergência da Organização.

Desde fevereiro, o vírus infetou mais de 1.700 pessoas, mais de 900 das quais morreram, na Serra Leoa, Guiné-Conacri, Libéria e Nigéria, segundo a OMS.