A holding que gere as participações financeiras do Grupo Espírito Santo, a Espírito Santo Financial Group (ESGF), afirmou nesta quinta-feira que se considera a dona da seguradora Tranquilidade e, como tal, espera receber as receitas da venda da companhia à Apollo. Caso contrário, avançará para tribunal.

Em comunicado enviado ao mercado, a ESFG, que também é a maior acionista do BES, diz “mais uma vez que a dona da Tranquilidade é a sua subsidiária Partran, apesar de alegações do Novo Banco que a EFSG considera infundadas do ponto de vista legal”. Como tal, a ESGF diz que espera que a Partran receba a receita da venda ao fundo de investimento Apollo Global Management. “Se este não for o caso, a ESFG vai considerar todas as possibilidades para proteger os seus direitos legais e os da sua subsidiária nos tribunais”, diz.

A ESFG diz, ainda, que o Novo Banco não respondeu a uma carta do grupo segurador Zurich, que na missiva enviada à ESFG e transmitida ao Novo Banco e ao Instituto de Seguros de Portugal, demonstrou interesse em comprar a Tranquilidade, no contexto de uma operação entre a indústria seguradora, e inclusivamente expressou por escrito a intenção de fazer uma proposta com um preço mais atrativo que o sugerido pelo grupo Apollo.

A seguradora foi vendida ao grupo norte-americano por 50 milhões de euros, com a Apollo a comprometer-se a injetar 150 milhões na empresa.