Os habitantes de seis aldeias do concelho do Sabugal revivem no fim de semana a tradição da “Volta da Santa”, associada ao Dia de Reis, que inclui as boas festas e a distribuição de cigarros pelas casas.

A tradição, que pertence à freguesia de Águas Belas e se estende a outras localidades vizinhas daquele concelho do distrito da Guarda, terá começado, em data desconhecida, após o desaparecimento misterioso de habitantes.

“Todos os anos desaparecia uma pessoa e não sabiam o destino que levava. Então, alguém se lembrou de dar a volta com a santa pelas terras e desde essa data nunca mais desapareceu ninguém”, explicou hoje à agência Lusa Joaquim Pinto, de 60 anos, morador em Águas Belas.

Joaquim Pinto integra a equipa de quatro homens, dois mordomos e dois ajudantes, que no sábado e no domingo vai andar, de casa em casa, com um quadro de Nossa Senhora do Rosário designada localmente por “a Santa”.

A denominada “Volta da Santa” começa, no sábado, pelas 09:00, na aldeia de Sobreira (União de Freguesias de Pousafoles do Bispo, Penalobo e Lomba) e prossegue por Quinta do Clérigo (freguesia de Águas Belas), Quarta-feira e Dirão da Rua (freguesia de Sortelha), terminando na povoação de Espinhal (Águas Belas).

No domingo, a partir das 09h30, a iniciativa desenvolve-se unicamente na sede da freguesia de Águas Belas, que é a última a receber o grupo que anda de casa em casa a dar as boas festas e a deixar cigarros em troca de donativos.

“Nós não pedimos nada, unicamente damos as boas festas e, quem quer, dá a esmola para a santa, que reverte para a igreja”, contou Joaquim Pinto.

Segundo o homem, quando o grupo que transporta o quadro com a santa entra nas casas anuncia “Nossa Senhora entra nesta casa” e, ato contínuo, os moradores respondem “Nossa Senhora é que cá queremos”. “Vem dar as Boas Festas corporais e espirituais”, acrescentam os homens, ao que os residentes respondem “Para vocês as mesmas”.

“Depois disto, quem quiser beija a santinha. Por norma, a mesa está posta e a esmola para a santa está em cima da mesa. Nós recolhemos a esmola e deixamos cigarros”, explicou, referindo que, na despedida, os mordomos e os ajudantes dizem aos moradores: “Nossa Senhora lhes deixe as boas festas”.

De acordo com a tradição, no dia da “Volta da Santa”, era costume todas as pessoas das casas visitadas, incluindo crianças e jovens, fumarem cigarros.

“Atualmente, há pessoas que já não fumam e outras que apenas fumam para manterem a tradição”, disse Joaquim Pinto.

Quanto aos mais novos, referiu que “nunca foi obrigatório fumarem”, mas naquela ocasião “é tradição os pais não se oporem por fumarem um cigarro da santa”.

O mesmo habitante de Águas Belas desconhece a razão da distribuição dos cigarros pelos moradores, que são comprados com o dinheiro que é recolhido na visita anual.

“Antigamente, distribuía-se tabaco por cada pessoa que estivesse na casa que era visitada e, agora, pega-se na esmola que está em cima da mesa e deixam-se apenas alguns cigarros”, concluiu.