Vinte e nove pessoas que ficaram feridas na debandada que, na noite de passagem de ano, ocorreu em Xangai, na China, continuam hospitalizadas, informaram este sábado as autoridades da metrópole chinesa. Uma das causas suspeitas de ter estado na origem do incidente aponta que alguém, a partir de um terraço de um bar, terá atirado notas de dinheiro falsas e motivado a histeria das pessoas que se concentravam em Bund, uma avenida da cidade.

Do total, e além do número de mortos (36), cerca de 40 pessoas ficaram feridas, com 10 a apresentarem ferimentos graves, indicou o município de Xangai, em comunicado divulgado na noite de sexta-feira. A tragédia de Xangai ocorreu cerca das 23h30 (15h30 de quarta-feira em Lisboa) numa praça da concorrida zona do Bund, a marginal neoclássica da cidade — onde milhares de pessoas, a maioria jovens, se preparavam para celebrar a entrada no novo ano.

A debandada, cujas causas ainda estão a ser, terminou com um balanço de 36 mortos, a maioria mulheres com menos de 30 anos, e 49 feridos. “O governo municipal foi atingido por uma tempestade de críticas por não ter tomado as necessárias medidas de prevenção”, assinalou, na noite de sexta-feira, a agência oficial chinesa Xinhua.