A próxima edição do semanário satírico francês Charlie Hebdo, que sai na quarta-feira em mais de 20 países, será traduzida em cinco línguas, entre as quais árabe e turco, anunciou o chefe de redação, Gérard Biard.

Preparada pelos sobreviventes do sangrento atentado da semana passada, esta edição do jornal será traduzida em inglês, espanhol e árabe na versão digital, e em italiano e turco na versão em papel, precisou Biard numa conferência de imprensa em Paris. A edição terá uma tiragem de três milhões de exemplares em vez dos habituais 60 mil.

O primeiro número do Charlie Hebdo depois do ataque tem na capa uma caricatura de Maomé de lágrimas nos olhos, segurando uma folha com a frase “Je suis Charlie”, igual às utilizadas por milhões de pessoas que se manifestaram em defesa da liberdade de expressão. O desenho tem como título “Tudo está perdoado”.

Os escritórios do semanário no centro de Paris foram atacados na quarta-feira pelos irmãos Said e Cherif Kouachi, que mataram 12 pessoas e foram mortos pela polícia dois dias depois nos arredores da capital francesa. Os atacantes disseram ter “vingado o profeta” Maomé, caricaturado em diversas ocasiões no jornal satírico.