Rádio Observador

Lesados do BES

Lesados do BES. Costa culpa Banco de Portugal por não autorizar solução do Governo

779

António Costa acusa o Banco de Portugal de não ter um comportamento responsável na questão dos lesados do BES e de com isso atrasar uma solução de reposição dos direitos destas pessoas.

LUSA

O primeiro-ministro atirou esta manhã com todas as culpas sobre a situação dos lesados do BES para o Banco de Portugal. António Costa lamentou “a forma como o Banco de Portugal tem vindo a arrastar uma decisão”, acusa a administração de Carlos Costa de estar a atrasar a implementação da solução encontrada pelo Governo e termina dizendo que tem “esperança que tão rapidamente quanto possível , o Banco de Portugal assuma definitivamente a posição responsável que tem faltado nesta matéria”, disse.

A guerra entre António Costa e o governador do Banco de Portugal já é antiga, mas hoje, o primeiro-ministro fez questão de atacar a administração do regulador. Para António Costa, todas as entidades públicas e privadas aceitam a solução do Governo, menos o Banco de Portugal que com isso está a impedir o Novo Banco de apresentar a solução aos lesados do BES.

Tenho de lamentar a forma como o Banco de Portugal tem vindo a arrastar uma decisão sobre esta matéria, a impedir que rapidamente esta solução proposta pelo Governo e aceite pela maioria dos lesados do BES pudesse estar implementada. E tenho esperança que tão rapidamente quanto possível, o BdP assuma a postura responsável que todas as entidades públicas, como o Estado e a CMVM, ou privadas como o BES ou Novo Banco estão disponíveis para assumir”, disse em Aveiro em respostas aos jornalistas.

Além disso, o primeiro- ministro acusou a administração do Banco de Portugal de, além de arrastar a solução, estar a demorar no “apuramento de responsabilidades” do caso. “Não é possível arrastar uma indefinição sobre a situação jurídica dos lesados do BES e continuar a adiar o apuramento de responsabilidades. E não é possível continuar a adiar a satisfação dos direitos dos lesados do BES, que têm de ver respeitados e que isso se faça de uma forma que assegure a segurança jurídica a todos”.

Em causa está, garante o líder do Executivo, a não aprovação por parte do Banco de Portugal da proposta do Governo de “conciliação, mediação e de arbitragem”, disse Costa, que, repetiu, “tem tido aceitação” por todos os envolvidos, menos pelo regulador. 

Além disso, António Costa fez questão de elogiar a postura da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM): “Quero louvar a atitude da CMVM, a atitude do BES e do Novo banco, a colaboração muito ativa dos lesados do BES e a esperança que tão rapidamente quanto possível, o BdP assuma definitivamente a posição responsável que tem faltado nesta matéria”, acrescentou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
880

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)