Rádio Observador

Assistência Social

Parlamento debate projetos para melhorar vida dos cuidadores informais

A Assembleia da República discute, quinta-feira, cinco projetos de resolução, do CDS-PP, PCP, PS, PSD e BE, que propõem ao Governo medidas de apoio aos cuidadores informais e a criação do seu estatuto

LUSA

Entre as medidas propostas estão o horário de trabalho flexível, deduções fiscais em sede de IRS, apoio psicossocial e possibilidade de baixa médica prolongada para assistência a pessoa sinalizada pela rede de cuidados continuados integrados ou pela rede de cuidados paliativos.

O CDS-PP defende, no projeto, que as famílias e os cuidadores informais “carecem cada vez mais de apoios estruturados” que possam promover a manutenção dos doentes crónicos no domicílio e também o combate à exaustão familiar.

Os cuidadores constituem “verdadeiros parceiros dos serviços de saúde”, prestando “uma fatia de cuidados que pode ascender a 80% daquilo de que o doente carece”, afirmam os deputados centristas, defendendo um “apoio mais estruturado” a estas pessoas, no hospital e na comunidade.

O PCP observa, por seu turno, que não existe, em Portugal, informação precisa sobre o número de cuidadores, nem estão definidos os apoios a ser disponibilizados, sendo por isso urgente medidas que criem condições para que possam desenvolver de “forma mais adequada e informada a prestação de cuidados”.

Nesse sentido, o grupo parlamentar do PCP propõe um conjunto de medidas para os apoiar na área da saúde, da segurança social e do trabalho.

Já o PSD considera que “cumpre ao Estado reconhecer, finalmente”, o “papel decisivo” dos cuidadores na ajuda ao bem-estar e à qualidade de vida dos seus familiares dependentes.

Defendem, por isso, “soluções inovadoras” que contemplem “possibilidades de adaptabilidade ou de redução dos tempos de trabalho” e dinamizem “o recurso ao teletrabalho, no respeito pelos direitos e deveres de entidades empregadoras e trabalhadores”.

Os deputados do Partido Socialista defendem, por sua vez, o desenvolvimento de estratégias ao nível do bem-estar físico e mental dos cuidadores, através do “incremento do descanso do cuidador”.

Um estudo do Observatório Português dos Sistemas de Saúde de 2015, citado pelo PS, estima que nos 3.869.188 agregados familiares existentes em Portugal, haverá 110.355 pessoas com défice de auto cuidado nos domicílios, sendo que, destas, 48.454 serão pessoas acamadas.

Para o PS, é preciso dar “especial relevo ao papel da família na sociedade”, com melhoria das condições e bem-estar aos cuidadores informais, que garanta “maior poder de decisão e qualidade nos cuidados domiciliários para pessoas com défice de auto cuidado”.

Por fim, o Bloco de Esquerda defende que deve ser garantido ao cuidador, por parte dos cuidados de saúde primários locais, um “apoio regular e permanente” para prestação de cuidados ao doente.

O Estado não está a conseguir garantir “as respostas que deveria dar às famílias e às pessoas que por dependência funcional, fragilidade, incapacidade grave ou doença severa necessitam de cuidados continuados”,, empurrando essa responsabilidade para as famílias, sublinha.

“Não é por acaso que Portugal é, em simultâneo, o país onde existe uma das menores taxas de cobertura de cuidados formais e o país da Europa com maior taxa de cuidados domiciliários informais”, acrescenta o BE.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)