Rádio Observador

Festivais de Música

Festival Marés Vivas obrigado a regressar à Praia do Cabedelo, em Gaia

1.350

A Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia anunciou que o festival vai voltar à Praia do Cabedelo, mas não se conforma. E avisa: irá imputar os prejuízos a "todos aqueles que torpedearam" o evento.

Desde que a autarquia anunciou que queria mudar a localização, no final de 2015, que a Quercus tem tentado reverter a decisão

©Verónica Pinheiro / Global Imagens

O festival Marés Vivas vai regressar ao local original, junto à Praia do Cabedelo, em Vila Nova de Gaia, anunciou esta terça-feira a autarquia. O presidente Eduardo Vítor Rodrigues avisa que vai imputar os prejuízos a “todos aqueles que torpedearam” o evento.

“Estando ainda disponível o espaço anterior, localizado a 900 metros do novo Parque Urbano de Canidelo, optámos por assumir não impedir o festival, não hipotecando a sua viabilização e assumimos, articuladamente com a organização e as entidades tutelares, realizá-lo no espaço anterior”, informou a câmara de Gaia, em comunicado.

Na quarta-feira, 11 de maio, a Quercus anunciou ter apresentado uma nova providência cautelar para suspender a realização do festival Marés Vivas no Estuário do Rio Douro, naquele que será o novo Parque Urbano Municipal, em São Paio, Canidelo. Desta vez, para não colocar o evento em risco, o município cedeu. Isto porque, com a providência cautelar, a limpeza do novo terreno teve de ser suspensa, o que iria atrasar a organização.

Todos os “evidentes prejuízos decorrentes deste interregno” serão aferidos e imputados “a todos aqueles que torpedearam o festival, sem fundamentos técnicos e científicos, recorrendo sistematicamente a falsidades, contra todos os pareceres oficiais atempadamente obtidos, e com motivações pouco claras que o tempo esclarecerá“, pode ler-se.

No final de 2015 a autarquia anunciou que o festival de verão teria de mudar de local, uma vez que o terreno onde se realizava é propriedade privada e seria alvo de construção. Este retrocesso só é possível “porque a construção da urbanização ainda não começou“, esclareceu a Câmara no mesmo comunicado.

O novo espaço escolhido no final do ano fica junto à reserva do Estuário do Douro, o que motivou críticas de ambientalistas e a apresentação de duas providências cautelares pela Quercus.

Para tentar resolver o diferendo entre a Câmara Municipal de Gaia e a Quercus, o Ministério do Ambiente anunciou em janeiro que iria criar uma Comissão de Acompanhamento, de modo a definir “medidas de minimização prévias à realização do festival”. Isso não agradou à organização ambiental, por não ser “metodologicamente correto”, uma vez que determinava a criação de uma comissão de avaliação dos impactos da mudança apenas para o final do evento. Ou seja, partia do princípio que o evento se iria realizar no mesmo local.

Quanto à música, essa continua marcada para os dias 14, 15 e 16 de julho, com nomes no cartaz como Elton John, James, James Bay e Kodaline.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)