Depois de uma sexta-feira de bom barulho, o Palco Vodafone recebe um alinhamento de indie rock “fofinho”, para usar a expressão de Pedro Moreira Dias, da Vodafone FM – equipa encarregue da curadoria deste palco no Rock In Rio 2016. A expressão não tem nada de depreciativo, pelo contrário.

A tarde vai começar (às 16h45) com os Mighty Sands, quinteto de Lisboa que editou há poucos dias o segundo EP, Big Pink Vol.2 (o Vol.1 é de 2015). É garage rock para bater o pé, feito de melodias que entram bem no ouvido. A banda (outrora chamada Los Black Jews) recupera com muita graça o espírito do surf rock antigo, que se faz notar, por exemplo, no uso que dão aos sintetizadores e efeitos da voz. É música nova com cheiro a cassete e com elevado potencial saudosista. Muitos dos mais velhos que passarem por ali, vão com certeza gostar.

Seguem-se os Capitão Fausto (18h), que vão ao Parque da Bela Vista apresentar o último Capitão Fausto Têm os Dias Contados, um disco que já recebeu todas as estrelas que havia para dar, que já mereceu ser destaque da semana e o argumento é fácil de sintetizar: melodias contagiosas e letras escritas com a ousadia da melhor poesia. Mas o melhor mesmo é ir até lá para os ouvir, até porque os Capitão Fausto têm esgotado quase todas as salas por onde têm passado. O Palco Vodafone vai parecer pequeno, mas “Tem de ser”.

A banda principal no quarto dia do Palco Vodafone dispensa apresentações para os que acompanham mais de perto a cena indie rock. Os Real Estate são fruto de uma amizade que deu em banda, no final da década passada, em New Jersey. São atualmente um quinteto com três álbuns de estúdio gravados e que receberam, todos, bons elogios da crítica e do público. São prodigiosos na construção de melodias bonitas que têm por base guitarras que correm a diferentes velocidades. Intimistas e até nostálgicos, prometem levar o encanto dos discos para o palco na colina do Rock In Rio (às 20h). São, pela qualidade e pela fama que os precede, uma das bandas mais esperadas do alinhamento deste ano.