William Peter Blatty, autor do romance O Exorcista e da adaptação cinematográfica de 1973, morreu esta quinta-feira num hospital de Bethesda, no estado norte-americano de Maryland, onde vivia. Blatty tinha 89 anos e sofria de cancro.

O anúncio foi feito esta sexta-feira no Twitter por William Friedkin, realizador do filme “O Exorcista” e amigo do escritor. “William Peter Blatty, querido amigo e irmão que criou “O Exorcista”, morreu ontem”, escreveu na rede social. Julie Alicia Blatty, viúva de Blatty, disse à Associated Press que o autor tinha um mieloma múltiplo, uma forma de cancro do sangue.

Nas redes sociais, já começaram a surgir as primeiras reações à morte do autor. Stephen King lembrou o autor do “maior romance de terror do nosso tempo”. O ator e produtor James Woods, considerou O Exorcista um dos grandes “romances comerciais modernos” dos Estados Unidos da América.

William Peter Blatty nasceu em Nova Iorque em 1928, no seio de uma família de imigrantes libaneses. Depois de terminar o curso e mestrado Literatura Inglesa (com uma tese sobre T.S. Eliot em Shakespeare, onde defendia que o escritor norte-americano tinha inveja do dramaturgo inglês), teve vários empregos fora da sua área — foi vendedor de aspiradores porta à porta, condutor de camiões e vendedor de bilhetes da United Airlines.

Em 1952, alistou-se na Força Aérea dos Estados Unidos e, mais tarde, trabalhou para a Agência de Informação dos Estados Unidos a partir de Beirute, no Líbano. Abandonou o cargo no final dos anos 50, para se dedicar inteiramente à escrita, a sua grande paixão.

Publicou o primeiro livro em 1960, Which Way to Mecca, Jack?, uma autobiografia sobre os anos passados em Beirute. A este, seguiram-se vários romances de comédia, como I, Billy Shakespeare (1965) e Twinkle, Twinkle, Killer Kane (1966). Apesar dos seus livros terem sido bem recebidos pela crítica, o número de vendas era relativamente baixo. Mas tudo mudou quando, em 1971, publicou O Exorcista.

Supostamente escrito numa cabana perto do lago Tahoe, entre os estados da California e Nevada, O Exorcista foi baseado numa história verídica de uma rapariga de 12 anos possuída por uma força demoníaca sobre a qual Blatty tinha lido quando estava na universidade. O romance recebeu críticas positivas e foi um sucesso quase imediato, em parte devido à grande campanha publicitária financiada pela editora Harper and Row. Passou mais de um ano no top de vendas do The New York Times e vendeu mais de dez milhões de cópias.

Dois anos depois, foi alvo de uma adaptação cinematográfica. Considerado um dos melhores filmes de terror de todos os tempos, “O Exorcista”, realizado William Friedkin e produzido e escrito por William Blatty, mudou o paradigma do cinema de terror. Foi nomeado nesse ano para dez Óscares, acabando por receber dois — pelo melhor som e pelo melhor guião. O filme recebeu ainda três Globos de Ouro para a melhor adaptação, o melhor filme e o melhor guião.

Atualmente, é principalmente pelo filme de William Friedkin, com Linda Blair no papel principal, que a obra de Blatty é conhecida. Em entrevista ao The Huffington Post em 2011, o escritor admitiu que nunca pensou em escrever uma história para assustar, considerando que Stephen King era o verdadeiro mestre do terror. “Quando estava a escrever o romance, pensava nele como uma história sobrenatural de detetives. Até aos dias de hoje, não me consigo lembrar de ter a intenção consciente de assustar alguém.”

Blatty voltou ao universo de O Exorcista em 1983, com a sequela Legion. O romance saiu seis anos depois de “O Exorcista II”, que o autor ignorou por completo, preferindo criar uma história completamente diferente. Legion acabou por se tornar na base de um outro filme, “O Exorcista III”.

William Blatty continuou a escrever quase até ao final da vida: os seus dois últimos romances, Dimiter e Crazy, saíram em 2009 e 2010.