Rádio Observador

Naufrágios

O naufrágio que “envergonha” o Titanic e ninguém fala

1.472

A maioria das pessoas considera o Titanic o maior naufrágio da história, mas 30 de janeiro de 1945 ficou marcado por um bem maior. O navio nazi Wilhelm Gustloff afundou e fez seis vezes mais mortes.

Na II Guerra Mundial, o Wilhelm Gustloff foi utilizado para resgatar refugiados que tentavam fugir dos avanços soviéticos, partindo de Gotenhafen (atual Gdynia, na Polónia), rumo ao norte

Getty Images

A maioria das pessoas admite, sem hesitar, que o maior naufrágio da história foi protagonizado pelo Titanic, no ano de 1912. No entanto, o dia 30 de janeiro de 1945 ficou marcado por uma tragédia bem maior. Há precisamente 72 anos, o navio nazi Wilhelm Gustloff foi atingido por três explosivos de um submarino soviético e acabou por se afundar no Mar Báltico com, pelo menos, 9 mil refugiados a bordo, seis vezes mais do que o número de mortes registado pelo afundamento do Titanic. Contudo, este dia acabou por ficar esquecido e a história é do conhecimento de poucas pessoas. Afinal, porque é que uma calamidade como esta não teve o reconhecimento que devia? O El Español admite que poderá ter sido por ter ocorrido durante a II Guerra Mundial, com nenhum dos lados interessado que o caso viesse a conhecer.

O Wilhelm Gustloff, lançado ao mar em 1938 e batizado em homenagem a um líder nazi assassinado em 1936, era um navio de cruzeiro que todos conheciam na época. Mas rapidamente se transformou na última esperança de escapar da morte. Nos últimos meses da guerra foi utilizado para resgatar refugiados que tentavam fugir dos avanços soviéticos, partindo de Gotenhafen (atual Gdynia, na Polónia), rumo ao norte. Apesar da sua capacidade ser apenas para 1.500 passageiros e 500 tripulantes, o caos que reinava na cidade polaca acabou por levar para o navio uma massa de pessoas impossível de contabilizar. Testemunhos dizem que seguiriam a bordo pelo menos 10 mil pessoas, incluindo cerca de mil oficiais e marinheiros, 300 órgãos auxiliares do corpo feminino da Armada e, pelo menos, 4 mil crianças.

A group of women give the Nazi salute on the deck of the Wilhelm Gustloff at Tilbury, 10th April 1938. The ship is a floating polling station enabling the 2,500 German citizens resident in Britain to vote in Nazi Germany's 1938 plebiscite. (Photo by Becker/Fox Photos/Hulton Archive/Getty Images)

Um grupo de mulheres a bordo do Wilhelm Gustloff a fazer a saudação de Hitler

Mesmo tendo recebido a escolta de um outro barco, o Gustloff acabou por ser atingido por três torpedos lançados por um submarino soviético. O primeiro projétil atingiu a proa, o segundo destruiu a piscina coberta do navio que abrigava as assistentes da Armada e o terceiro foi fatal: atingiu a casa das máquinas e deixou o navio impossível de governar.

The German luxury liner Wilhelm Gustloff at Tilbury, 10th April 1938. The ship is about to take German residents of the United Kingdom into international waters, where they can vote in the plebiscite on the annexation of Austria. (Photo by Harrison/Topical Press Agency/Hulton Archive/Getty Images)

O navio alemão antes de afundar

A partir daí, foram 50 longos minutos de luta para a sobrevivência, mas com um número irrisório de salva-vidas a bordo e com o termómetro a marcar 20 graus negativos, as hipóteses de escapar eram quase nulas. Houve até quem disparasse contra as próprias famílias para lhes poupar a morte por afogamento e hipotermia, conta o El Español.

Na sequência desta catástrofe, os últimos registos dão conta de 9.343 mortes, cerca de 7.843 a mais do que no Titanic.

Ao todo, cerca de 30 mil pessoas morreram durante o naufrágio de navios alemães ao longo das incontáveis evacuações no Mar Báltico.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
105

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)