Rádio Observador

Calorias

É por causa de Lulu que somos obcecados com calorias

Associa-se frequentemente estilo de vida saudável à contagem de calorias. Mas de onde surgiu esta obsessão? A "culpa" está em Lulu Hunt Peters, a médica que começou a falar desta questão.

Lulu começou a falar de calorias como uma "ferramenta" para se perder peso, através do controlo da sua ingestão

Getty Images/iStockphoto

O conceito é de 1824, mas foi em 1918 que as calorias começaram a ser vistas como aspeto a dominar no que toca a perder peso. Foi pelas mãos de Lulu Hunt Peters que o século XX começou a dominar melhor a temática “calorias”, através do lançamento do seu livro que ensinava a contar calorias e a perder peso.

Lulu começou a falar de calorias como uma ferramenta a trabalhar para emagrecer, através do controlo da sua ingestão. Assim, a médica começa por lançar uma campanha de consciencialização que procurava educar mulheres sobre uma dieta saudável, exercício e perda de peso.

O facto de a própria ter vivido com excesso de peso durante a sua juventude impulsionou-a a preocupar-se com esta temática. Foi graças a uma dieta saudável e ao controlo da ingestão calórica que Lulu conseguiu perder 32 quilos. Pouco tempo depois, a médica lançou uma coluna de opinião denominada “Dieta e Saúde”, onde desaconselhava fórmulas milagrosas e horas de exercício físico extenuantes e promovia uma dieta sem excessos.

No entanto, a promoção do conceito foi massificado depois da publicação do seu livro Diet & Health: With Key to the Calories. Escrito em plena Primeira Guerra Mundial, o livro explicava o conceito “calorias” como unidade científica, que mede a energia presente nos alimentos. Tudo isto foi recebido como novidade, de tal forma que o livro incluía instruções para pronunciar corretamente a palavra.

Lulu destacava a importância de encontrar um equilíbrio entre a ingestão da comida e energia gasta pelo indivíduo. A autora sugeriu ainda uma série de exercícios físicos, acompanhados com imagens desenhadas pela sua sobrinha de 9 anos. Uma das inovações de que foi pioneira prende-se com a forma como ensinava a calcular o peso ideal. A fórmula era semelhante à que hoje em dia se usa para calcular o índice de massa corporal (IMC).

Além disso, o livro ensinava a calcular o número de calorias que deviam ser ingeridas, com base na idade, no sexo e no exercício físico que praticado. A autora não prestava, ainda assim, muita atenção ao tipo de alimentos que se podia comer. Desde que fosse mantida uma dieta rigorosa de 1.200 calorias podia-se comer o que se quisesse. No entanto, a médica desaconselhava a ingestão de doces por estes serem um malefício.

A autora incluiu ainda textos com testemunhos de dietistas com nomes fictícios, mas também contou a sua experiência, relatando os seus problemas de peso e a necessidade de auto controlo de que precisou para emagrecer. O livro teve o dom de transformar este tema num assunto divertido e de sabedoria popular.

A publicação foi um sucesso para a época. A autora recomendava mesmo que as mulheres que contavam calorias poderiam dar comida não consumida a quem dela precisasse, contrariando a escassez de alimentos em período de guerra. O livro foi um best seller na categoria de não ficção de 1922 a 1926 e vendeu mais de 2 milhões de exemplares.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)