As palavras de guerra da Coreia do Norte dirigidas ao EUA continuam. Desta vez, o regime liderado por Kim Jong-un ameaçou atacar os Estados Unidos da América de forma “inimaginável” caso estes continuem a colaborar com a Coreia do Sul em exercícios militares.

As ameaças vêm no seguimento de várias colaborações militares entre os norte-americanos e os sul-coreanos. Os aliados vão realizar um exercício de evacuação para a próxima semana, de nome Courageous Channel, que, apesar de acontecer todos os anos, duas vezes por ano, motivou nova ameaça e aumentou a tensão. O meio de comunicação estatal da Coreia do Norte publicou a ameaça do regime, que diz que “os Estados Unidos deve esperar que terá de enfrentar um ataque inimaginável a uma altura inimaginável”.

Recentemente, os EUA sobrevoou dois bombardeiros sobre a península coreana e colaborou numa missão noturna aérea com o Japão e a Coreia do Sul, na área do Mar do Japão. A semana passada, um satélite de espionagem norte-americano captou imagens de movimentações de misseis e propulsores em solo norte-coreano, reveladas pelo site 38 North. Uma nova demonstração de força por parte de Kim Jong-un – nomeadamente através de testes de misseis intercontinentais – é, por isso, expectável.

A Coreia do Norte ameaçou, nos últimos tempos, atacar a ilha norte-americana do Guam, que é um dos polos militares dos Estados Unidos. De lá saem muitos aviões bombardeiros que sobrevoam a península coreana periodicamente. O Chefe de Gabinete da Casa Branca, John Kelly, mostrou-se “preocupado” com os habitantes do Guam, mas considerou que, por enquanto, é possível gerir a ameaça. “Esperemos que a diplomacia funcione”, disse.