Política

CDS-PP considera que Lisboa precisa de Polícia Municipal com papel reforçado

239

A vereadora do CDS-PP na Câmara de Lisboa defendeu a necessidade de haver um reforço do papel da Polícia Municipal na cidade.

Tiago Petinga/LUSA

A vereadora do CDS-PP na Câmara de Lisboa Assunção Cristas defendeu esta quinta-feira a necessidade de haver um reforço do papel da Polícia Municipal na cidade, mas o organismo considera que tem efetivos suficientes para as competências atuais.

Os vereadores do CDS-PP visitaram a Polícia Municipal de Lisboa, numa reunião que foi “essencialmente para ouvir” sobre o trabalho levado a cabo por esta força de segurança. “Sinalizámos esta, porventura, necessidade de reforçar aquilo que é o papel da Polícia Municipal”, destacou a vereadora em declarações aos jornalistas no final da reunião.

Apontando que questionou este organismo sobre a eventual necessidade de um reforço do número de efetivos e de meios, Cristas afirmou que a resposta que obteve foi de que “a Polícia Municipal entende que tem as pessoas suficientes para aquilo que são as suas competências atuais”.

Ainda assim, “sabemos que o número de efetivos não corresponde ao número do quadro”, referiu a autarca. “É uma questão que vamos continuar a acompanhar com interesse, e sabendo que, de facto, a cidade precisa de ter uma Polícia Municipal forte e ativa”, acrescentou Assunção Cristas.

Apontando que “a mobilidade é o principal problema da cidade de Lisboa, identificado por todos os munícipes ou, pelo menos, de grande parte”, a vereadora elencou que esta força de segurança “tem um trabalho que tem vindo a desenvolver, mas que não resolve tudo”.

Há questões estruturais que só se resolvem de outra forma, nomeadamente com investimentos na parte dos transportes coletivos”, observou.

Para o CDS-PP, “também a vídeo proteção é um mecanismo positivo para, em complemento com a PSP e a Polícia Municipal”, Lisboa ser “uma cidade que não só é das mais seguras do mundo, mas que também é percecionada pelos seus moradores e por quem a visita como sendo uma cidade segura”. “Muitas vezes aquilo que são os números não corresponde àquilo que é a sensação e o sentimento das pessoas e nós temos de casar uma coisa com a outra para que as pessoas possam livremente andar na sua cidade”, salientou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Contagem decrescente /premium

Manuel Villaverde Cabral

O grande problema do PS será prometer o fim da «geringonça» sem que as muletas do governo – o PCP, o BE e os seus eleitorados – lhe venham a negar uma maioria que o PS já só poderá fazer com Rui Rio. 

Crónica

A lobotomia nasceu aqui /premium

Alberto Gonçalves
406

Quando não estão a pagar impostos ou a ver a CMTV, as vítimas vão tirar “selfies” com os carrascos e prometem-lhes devoção e votos. Os portugueses apreciam ser humilhados ou não percebem o que são?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)