Monumentos

Jerónimos e Batalha vão continuar a receber cocktails

Apesar de o ministro da Cultura ter anunciado a intenção de proibir jantares e cocktails no Mosteiro dos Jerónimos e na Batalha, o novo regulamento não o prevê. Apenas o Panteão ficou de fora.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Quando foi entrevistado pelo semanário Expresso em novembro, o ministro da Cultura anunciou a intenção de proibir “qualquer serviço de refeições ou de catering” nos três panteões nacionais — Igreja de Santa Engrácia, Mosteiro dos Jerónimos e Mosteiro da Batalha. Mas parece que, afinal, não vai ser bem assim. De acordo com o novo regulamento para jantares, cocktails, eventos culturais e reuniões de caráter social, académico ou empresarial em monumentos, a que o Expresso teve acesso, apenas o Panteão Nacional, onde decorreu o polémico jantar da Founders Summit, ficará vedado a eventos sociais, mantendo-se, contudo, disponível para iniciativas de âmbito cultural mediante o pagamento de 1.500 a 5 mil euros.

O Mosteiro do Jerónimos, também em Lisboa, deixará de receber jantares, mas permanecerá disponível para a realização de cocktails no antigo refeitório. O aluguer do espaço vai manter-se fixado nos 7.500 euros, mas o número de pessoas que poderão estar nos claustros será diminuído de mil para 470. No Mosteiro da Batalha, o terceiro panteão, vai continuar a ser possível conviver livremente com comida à mistura, mas apenas no claustro D. Afonso V, que tem uma lotação máxima de 500 pessoas. O alugar do espaço para um jantar vai ficar por 3 mil euros. Um cocktail vai ficar por metade, a 1.500 euros.

No Panteão Nacional, disponível apenas para eventos culturais, os preços vão sofrer um aumento exponencial. Diz o Expresso que, assim que o Ministério das Finanças dê luz verde ao novo regulamento, ficarão disponíveis para aluguer cinco espaços da Igreja de Santa Engrácia, no Campo de Santa Clara — o corpo central, o coro alto, a sala sul, o terraço e o adro. Destes, apenas o adro irá manter o mesmo preço (1.500 euros). O corpo central passará a custar 5 mil euros, quando anteriormente custava apenas mil, e o terraço 4 mil (mil, na tabela anterior). Os preços de aluguer do coro alto e da sala sul também irão sofrer alterações. Anteriormente, custava 750 euros alugar cada um dos espaços. Com os novos preços, será preciso pagar mil.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)