França

“Maëlys vai assombrar-te até que ardas no inferno”, escreve a mãe da menina

311

A mãe de Maëlys de Araújo escreveu no Facebook que a filha vai perseguir Nordahl Lelandais até que ele "arda no inferno". A publicação surgiu horas depois de ele ter confessado que matou a menina.

Jennifer de Araújo, mãe de Maëlys de Araújo, que desapareceu em agosto

AFP/Getty Images

A mãe de Maëlys de Araújo, a menina luso-descendente que desapareceu de uma festa de casamento, em França, em agosto passado, fez uma publicação na sua conta de Facebook, onde escreveu que a filha vai assombrar o homicida, Nordahl Lelandais, até que ele arda no inferno. A publicação surgiu horas depois de o caso ter sido finalmente desvendado: o autor do crime, Lelandais, de 34 anos, confessou que matou a menina.

Il aura fallu attendre 5 mois et demi pour que ce monstre parle enfin. Toi l'assassin😈 de ma fille : Maelys va te hanter…

Posted by Jennifer Cleyet Marrel on Wednesday, February 14, 2018

A mãe, Jennifer de Araújo, escreve que “foram precisos cinco meses e meio para que este monstro fale finalmente”. Aquele que era até ali o principal suspeito do desaparecimento da menina de 9 anos levou as autoridades ao local do crime para mostrar o sítio onde deixou o cadáver e, com a ajuda dos cães, as autoridades encontraram o corpo.

Tu assassino da minha filha: Maëlys vai perseguir-te noite e dia na prisão até que ardas no inferno. Maëlys tinha a vida pela frente e tu destruíste-a, não a veremos mais por tua causa, não a posso segurar mais nos meus braços e dizer-lhe o quanto a amo”, prossegue Jennifer.

A mãe aproveita a carta para mostrar como se sente arrependida por não ter conseguido impedir a morte da filha: “Meu pequeno anjo, eu não fui capaz de te proteger daquele predador e essa culpa vai permanecer comigo durante muito tempo”. Jennifer acrescenta: “és a minha maravilha, o meu raio de sol e estarás sempre no meu coração”. 

A publicação termina com palavras de saudade: “nós sentimos muito a tua falta. A tua luta será levada até ao fim, minha princesa”. A mãe pede “que justiça seja feita” para que mais nenhuma criança sofra o que Maëlys sofreu e diz ainda que “este monstro não fará mal a mais nenhuma pessoa”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)