República Centro Africana

Presidente da República visitou militares em missão na República Centro-Africana

245

Marcelo Rebelo de Sousa visitou os militares portugueses que estão a comandar a missão de treino da União Europeia naquele país. O contingente português é composto por 159 militares.

Alexandre Duclay/LUSA

O Presidente da República visitou segunda-feira a força portuguesa que integra a Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA) e os militares que comandam a missão de treino na União Europeia.

Segundo fonte da Presidência da República, durante a visita, o chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, encontrou-se também com o seu homólogo da República Centro-Africana, Faustin-Archange Touadéra.

Durante a visita, que durou apenas algumas horas, Marcelo Rebelo de Sousa, que é por inerência o Comandante Supremo das Forças Armadas, esteve em Bangui, tendo visitado a Força Nacional Destacada que incorpora a MINUSCA no campo N’Poko.

Ao todo, o contingente português que integra a MINUSCA é composto por 159 militares, dos quais 21 estão no terreno desde meados de fevereiro, sediados no aquartelamento de Bangui. Os outros 138 partiram de Portugal no início deste mês, entre os quais três militares da Força Aérea e 135 do Exército, a maioria oriunda do 1.º batalhão de Infantaria Paraquedista.

Comandada pelo tenente-coronel de Infantaria paraquedista, João Bernardino, a 3.ª Força Nacional Destacada constitui-se como Força de Reação Rápida sob controlo operacional da componente militar da MINUSCA. Esta companhia substituiu os militares da 2.ª Força Nacional destacada na MINUSCA, do regimento de Comandos, após seis meses de empenhamento nas regiões de Bangui, Bocaranga e Bangassou.

Durante a deslocação à República Centro-Africana, onde esteve acompanhado pelo ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, o Presidente da República encontrou-se ainda com os militares portugueses que comandam a missão de treino da União Europeia naquele país. Este contingente português integra 40 militares, incluindo um Comando, um Estado-Maior e o corpo de formadores, na maioria do Exército, mas também da Força Aérea e da Marinha.

A missão de treino da União Europeia na República Centro-Africana está a ser comandada pela primeira vez por Portugal, pelo brigadeiro-general Hermínio Maio, e é composta por 170 militares de 12 países. O último grupo de militares que integra o contingente português partiu de Portugal para a República Centro-Africana no início do ano.

Segundo o Estado-Maior General das Forças Armadas, a missão da União Europeia visa o “aconselhamento estratégico ao ministério da Defesa e ao Estado-Maior General das Forças Armadas Centro-Africanas, formação de quadros e criação de programas de treino para as unidades militares locais”.

“Planeamento e execução de atividades de assessoria, formação e treino operacional às Forças Armadas da RCA, em Bangui, em coordenação com a delegação da União Europeia, com a missão das Nações Unidas e, outras organizações internacionais e não-governamentais, presentes na capital da RCA” são as tarefas previstas para 2018.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)