“O Presidente Donald Trump devia ganhar o prémio Nobel da Paz. Só precisamos de paz”, afirmou Moon Jae-in, presidente da Coreia do Sul, numa reunião com vários dos seus secretários. A declaração é noticiada pela agência Reuters e tem origem numa declaração do responsável pela comunicação do líder asiático.

Na passada sexta-feira, 27 de abril, Moon e o líder norte-coreano Kim Jong-un comprometeram-se a cessar as hostilidades que há décadas divide a península Coreana, muito graças ao compromisso, de ambas as partes, de se proceder a uma “total desnuclearização”.

Entretanto, Trump encontra-se a preparar a reunião que o juntará com o mesmo Kim Jong-un, algures nas próximas três ou quatro semanas.

A Administração Trump tem feito um grande esforço para que se imponha sanções ainda mais restritivas à Coreia do Norte e, durante o último ano, tem trocado ameaças bélicas com o líder norte-coreano.

Em janeiro, o mesmo Moon afirmou que Trump “merece muitos créditos por ter promovido as conversas intra-coreanas” que se proporcionou “talvez por causa das sanções e pressões” promovidas pelos EUA.

Barack Obama, o antecessor de Trump, ganhou o galardão em 2009 poucos meses depois de ter tomado posse. Na altura, a conquista foi tida como prematura, já que o líder não tinha tido tempo quase nenhum para mostrar sinais de que os seus esforços pela paztinha começado a surtir efeito.

Até o próprio Obama afirmou-se surpreendido com a vitória na cerimónia de entrega do prémio, que aconteceu em Oslo no final desse ano — mesma altura em que tinha reforçado três vezes mais a presença militar dos EUA no Afeganistão.

A par de Obama, três presidentes dos Estados Unidos da América já ganharam o prémio Nobel da Paz: Theodore Roosevelt, Woodrow Wilson e Jimmy Carter.

Este comentário de Moon surge depois de uma mensagem de parabéns de Lee Hee-ho, a viúva do antigo chefe de estado sul-coreano Kim Dae-jung. A ex-Primeira Dama afirmou que Moon devia receber o prémio.

Trump sugeriu esta segunda-feira que a reunião planeada com Kim acontecesse na Casa da Paz, edifício que fica na fronteira entre as duas Coreias. A reunião Trump-Kim foi tema dominante no encontro entre os dois líderes asiáticos, afirmam fontes oficiais próximas de Moon.

O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou no passado domingo que Trump ia continuar a aplicar e promover pesadas sanções à Coreia do Norte, pelo menos até Kim Jong-un abandonar totalmente o seu programa de armamento nuclear.