Ministério Administração Interna

GNR eliminou cerca de 400 autos de contraordenação sobre limpeza de mato

O ministro da Administração Interna afirmou, no parlamento, que foram já eliminados cerca de 400 autos de contraordenação levantados pela GNR na fiscalização das faixas de gestão de combustível.

TIAGO PETINGA/LUSA

O ministro da Administração Interna afirmou hoje, no parlamento, que foram já eliminados cerca de 400 autos de contraordenação levantados pela Guarda Nacional Republicana (GNR) durante a fiscalização das faixas de gestão de combustível.

“O objetivo não é fazer receita, é aumentar a segurança dos portugueses”, declarou o ministro Eduardo Cabrita, explicando que os autos foram eliminados porque os proprietários procederam à limpeza dos terrenos. O ministro Eduardo Cabrita falava no âmbito de uma audição regimental na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, que incluía dois pontos autónomos sobre a prevenção e o combate aos incêndios florestais, a requerimento do PSD e do CDS-PP.

Para a deputada do PSD Emília Cerqueira, os autos de contraordenação levantados pela GNR sobre as faixas de gestão de combustível florestal estão a “sobrecarregar as populações com mais dificuldades”. Em resposta, o responsável pela tutela da Administração Interna assegurou que os autos levantados “não recaem, de maneira nenhuma, apenas sobre os tais proprietários pobres que não conseguiram fazer a limpeza”.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/area-ardida-em-portugal-por-ano/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”3″ slug=”area-ardida-em-portugal-por-ano” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/area-ardida-em-portugal-por-ano/thumbnail?version=1525862231274&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

“Multas não salvam vidas, o que salva vidas é a limpeza, a prevenção e a preparação”, reforçou o ministro, revelando que, “até à última semana, cerca de quatro centenas de autos tinham sido eliminados porque a limpeza foi feita”. Na perspetiva do governante, o trabalho realizado na limpeza da floresta representa “uma vitória da sociedade portuguesa”, já que houve uma mudança na atenção à limpeza e à autoproteção contra os incêndios florestais.

De acordo com os dados da GNR, entre 01 de janeiro e 31 de maio deste ano foram instaurados 1.946 autos de contraordenação por incumprimento na limpeza das faixas de gestão de combustível florestal, destacando-se o distrito de Santarém com mais autos de contraordenação registados, com um total de 401 autos por incumprimento das faixas de gestão de combustível florestal.

No âmbito da fiscalização das faixas de gestão de combustível, após o prazo de 15 de março para os particulares limparem os terrenos, desde 02 de abril até 31 de maio deste ano, a GNR procedeu ao levantamento de 981 autos de contraordenação dirigidos aos “proprietários, arrendatários, usufrutuários ou entidades que, a qualquer título, detenham terrenos confinantes a edifícios inseridos em espaços rurais”.

Do total de 1.946 autos de contraordenação instaurados pela GNR, entre 01 de janeiro e 31 de maio deste ano, 389 autos referem-se a infrações “nos aglomerados populacionais inseridos ou confinantes com espaços florestais, e previamente definidos nos Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI), [onde] é obrigatória a gestão de combustível numa faixa exterior de proteção de largura mínima não inferior a 100 metros”, e 371 autos dizem respeito ao incumprimento dos critérios definidos na lei para proceder à gestão de combustível nas superfícies.

Neste âmbito, foram ainda levantados 170 autos dirigidos a empresas, dos quais 113 na rede viária, 16 na rede ferroviária, seis nas linhas de transporte e distribuição de energia elétrica em muito alta tensão e em alta tensão, 32 nas linhas de distribuição de energia elétrica em média tensão e três na rede de transporte de gás natural, segundo os dados da GNR.

O prazo para que não fossem aplicadas coimas por falta de limpeza de terrenos terminou em 31 de maio, estando a GNR a dar seguimento, desde 01 de junho, aos autos de contraordenação levantados, multando os infratores, com coimas que podem variar entre 280 euros e 10.000 euros, no caso de pessoa singular, e entre 3.000 euros e 120.000 euros, no caso de pessoas coletivas.

O Orçamento do Estado determinou a data limite de 15 de março para todos os proprietários assegurarem os trabalhos de gestão de combustível florestal, mas o Governo aprovou um decreto-lei para que não fossem aplicadas coimas até 31 de maio. Perante o incumprimento dos proprietários, as Câmaras Municipais tinham de garantir, até 31 de maio, a realização de todos os trabalhos de gestão de combustível.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Um país “grátis”

Diogo Prates

A feira de promessas em que está a tornar-se a pré-campanha eleitoral não só coloca em risco os sacrifícios que foram feitos no passado mas, mais grave, põe em causa o principio básico da igualdade.

Ensino Superior

Bolonha, 20 anos depois

José Ferreira Gomes

Temos um falso sistema de dois ciclos de licenciatura e mestrado porque se está a generalizar a prática de admitir a mestrado estudantes que não concluíram a licenciatura. Estranho? Não em Portugal!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)