O primeiro-ministro português, António Costa, fez esta quinta-feira um voto de confiança nas autoridades moçambicanas depois de terem anunciado a reabertura da investigação ao desaparecimento do empresário português Américo Sebastião.

Como esta semana foi noticiado, as autoridades moçambicanas reabriram o processo, de acordo com as diligências solicitadas pelo advogado da família. É um caso que está entregue às autoridades judiciais”, referiu Costa, questionado pelos jornalistas à margem de um encontro com empresários, em Maputo.

António Costa encontra-se em visita oficial a Moçambique durante dois dias.

O primeiro-ministro considerou que o facto de o desaparecimento já ter acontecido há dois anos, “naturalmente preocupa a todas as pessoas, do ponto de vista humano”.

Temos de confiar que as autoridades desenvolvam o seu trabalho”, declarou.

O advogado Vicente Manjate disse na passada segunda-feira à agência Lusa que a instrução do processo, instaurado contra desconhecidos, foi reaberta após “a Procuradoria ter deferido a reclamação” da família de Américo Sebastião, para revogação do despacho de arquivamento de 23 de fevereiro último.

“A reclamação foi deferida, pois a defesa demonstrou que algumas diligências teriam sido, inexplicavelmente, preteridas e outras negligenciadas e abandonadas a meio”, afirmou Manjate.

Américo Sebastião foi raptado numa estação de abastecimento de combustíveis, em 29 de julho de 2016, em Nhamapadza, distrito de Maringué, província de Sofala, no centro do Moçambique.