Tive uma Ideia

A melhor startup europeia de turismo tem ADN português, carros elétricos e transmite viagens em direto

148

A ideia de Djalmo Gomes e Luís Lucas era simples: permitir que os turistas pudessem transmitir em direto a sua viagem num carro elétrico pela cidade. Assim nasceu a Live Electric Tours.

Mauricio Barbosa

Djalmo Gomes e Luís Lucas viviam a mais de 7.600 quilómetros de distância: um trabalhava em Angola como gestor de marketing e o outro estava no Reino Unido a trabalhar na área de gestão hoteleira. Em 2016, os dois empresários decidiram “largar os empregos estáveis e bem remunerados” e juntar-se em Lisboa para criar a Live Electric Tours, que no mês passado se tornou na primeira startup portuguesa a receber o prémio de melhor startup da Europa, na categoria de turismo.

Este serviço oferece aos turistas a oportunidade de conhecerem a cidade através de carros 100% elétricos e self-drive, equipados com Wi-Fi e, ao mesmo tempo, a possibilidade de partilharem a experiência em direto nas redes sociais — como o Facebook ou o Youtube — através de câmaras instaladas nos carros. “A ideia surgiu da necessidade de criar uma solução de mobilidade que fosse sustentável para turistas em Lisboa e que, ao mesmo tempo, respondesse aos nossos consumidores”, começou por explicar Djalmo Gomes ao Observador.

Esses consumidores, acrescentou o empresário, são as pessoas que “estão na cidade durante dois ou três dias, querem conhecer as cidades o mais rapidamente possível, querem ter uma experiência única, valorizam o fator ecológico e querem estar sempre conectados e partilhar a sua experiência”. Face a estas exigências, os dois empreendedores perceberam que o seu projeto seria uma novidade no mercado, tendo em conta que “nenhuma das soluções que já existiam respondia a todos estes fatores que os novos consumidores procuram quando viajam”. A Live Electric Tours tornou-se, em agosto de 2017, na primeira startup do mundo a introduzir a tecnologia live streaming (em direto) no setor do turismo.

O projeto foi iniciado com um investimento próprio de 100 mil euros, que serviu para a aquisição de cinco carros de dois lugares, tendo a equipa recebido recentemente uma injeção de 700 mil euros por parte da Portugal Ventures, sociedade pública de capital de risco, que permitiu aumentar a frota para 16 carros e introduzir novidades como o serviço para grupos e empresas. Atualmente, a equipa é constituída por 10 pessoas.

Cada carro possui um áudio guia de GPS (com três línguas disponíveis: português, inglês e espanhol) e uma câmara live HD, bem como Internet grátis. Do lado dos turistas, há seis opções de tours para escolher: Lisboa Livre (sem planos), Lisboa Alternativa, Lisboa pelo rio, Lisboa Miradouros, Lisboa Completa e a mais recente Lisboa Moderna, sendo que os preços variam consoante cada tour (entre os 29 e os 99 euros) e o número de horas de viagem pela cidade.

“O serviço é muito simples, basta apenas ter mais do que 18 anos e carta de condução”, explica Djalmo Gomes, acrescentando que, desde o dia de lançamento, já foram realizadas mais de mil viagens, contando com mais de 2.500 utilizadores. O Facebook, revela, é a plataforma mais utilizada para fazer os diretos.

O início do projeto, conta Djalmo, “foi difícil”, tendo em conta que os dois fundadores estavam a residir no estrangeiro e “ninguém sabia muito bem o que iria acontecer”. “Isto de ser empreendedor… Normalmente temos de nos convencer a nós próprios primeiro e depois convencer os outros”, referiu. O aspeto que gerava mais dúvidas era o facto de a empresa querer acrescentar a tecnologia live streaming ao seu projeto em apenas seis meses: “Os nossos parceiros, os nossos familiares e outras pessoas sabiam que nós iríamos conseguir fazer isto, mas não num espaço de tempo tão curto como nós o fizemos e por isso é que foi um desafio muito grande”, explicou um dos fundadores.

Djalmo, que é licenciado em Ciências da Comunicação e diz ser “uma pessoa que gosta imenso de criar novos projetos”, não esquece também as experiências anteriores que teve no mundo do empreendedorismo: “Também já tive outras startups antes desta. Lancei, fecharam, não correram bem. Isso também é importante para o nosso sucesso”, referiu.

O prémio de melhor startup de turismo da Europa e a responsabilidade que veio na bagagem

“Não vamos mentir, fomos surpreendidos”. Foi desta forma que os dois fundadores falaram do prémio que a Live Electric Tours arrecadou no em novembro nos Startup Europe Awards, que distinguiu o projeto como a melhor startup na categoria de turismo, tornando-a na primeira ideia portuguesa a ser premiada.

É um prémio demasiado importante para acharmos que podíamos ganhá-lo de uma forma muito simples. Para nós foi muito gratificante, porque reconhece o nosso trabalho e a nossa capacidade de inovação. Aquilo que desde o princípio achamos que queríamos fazer e que conseguimos fazer foi reconhecido”, acrescentou Djalmo Gomes.

O prémio traz também outras implicações: “Dá-nos mais responsabilidade, dá-nos mais capacidade e visibilidade e isto faz com que os clientes nos procurem, mas com expectativas muito mais elevadas”, explicou o empreendedor. Sobre o ecossistema português, Djalmo refere que “Portugal começa a ser uma referência na Europa”, mas ainda há muito trabalho pela frente. “Neste momento estamos bem, mas ainda não estamos ao nível dos grandes e isso também se reflete no número de ideias premiadas neste tipo e eventos”, referiu, reforçando que o setor do turismo está a colocar o país cada vez mais no mapa.

Djalmo Gomes reconhece também que “o serviço da Live Electric Tours não é para todos, porque nem todas as pessoas gostam de conduzir”, mas há um fator que diferencia, na sua ótica, este projeto de todos os outros relacionados com o turismo: a tecnologia. “Os turistas hoje gostam de estar conectados e gostam de partilhar. O que eles fazem no nosso carro não conseguem fazer numa trotinete ou num Uber, nem numa bicicleta. Estamos a levar algo que neste momento mais ninguém está a conseguir fazer”, explicou ao Observador, acrescentando que, neste caso, o facto de existirem tantos novos projetos a surgir deve ser encarado como uma oportunidade, porque são “mais uma solução para o turista”.

As soluções que estão a aparecer hoje em Lisboa têm a ver com mobilidade. E Lisboa era conhecida, e ainda o é, como uma cidade de muito difícil mobilidade. Grande parte dos turistas deslocam-se a pé em Lisboa porque os transportes públicos não são suficientes, não são eficazes, grande parte da oferta é cara e o tráfego é muito pesado em algumas alturas do dia”, explicou Djalmo Gomes ao Observador.

À conquista do público nacional

Um dos grandes desafios para a empresa, por ser uma startup na área do turismo, é conseguir conquistar mais público nacional, tendo em conta que a Live Electric Tours tem mais de 80 nacionalidades que já experimentaram o produto, estando o Brasil e os Estados Unidos no top dos principais países. Para chegar aos clientes portugueses, a estratégia passa por alargar esta solução a outras cidades, estando já o Porto (em março) e Évora (durante o próximo ano) na lista das próximas a receber a Live Electric Tours. “Sentimos que o turismo destas cidades também está a crescer de uma forma muito expressiva. Nós precisamos destas cidades e estas cidades precisam de nós.”

E porque os empreendedores querem primeiro olhar para dentro, a hipótese de uma expansão internacional não está, para já, em cima da mesa. “Nós só podemos olhar para a internacionalização se estivermos preparados para ela, senão as coisas não correm bem”, referiu Djalmo Gomes, acrescentando que só quando o modelo nas cidades portuguesas estiver solidificado é que a empresa está pronta para entrar noutros países.

Para já, Lisboa é a única cidade onde a Live Electric Tours se encontra, mas o Porto e Évora já estão na lista para receber o projeto

Já o feedback dos turistas que experimentam o serviço da Live Electric Tours tem sido positivo: “Normalmente, quando compram um produto, não estão à espera de encontrar todas estas funcionalidades num carro, então para eles é uma grande surpresa”, explicou o empreendedor.

sustentabilidade é também outro pilar da empresa e Djalmo Gomes assegura que este foi um fator pensado desde o primeiro dia. Por se tratarem de carros 100% elétricos, há também o direito a estacionamento grátis em Lisboa, tendo em conta que a EMEL isenta este tipo de veículos de pagar qualquer valor pelo estacionamento na cidade.

Acreditamos que o futuro do turismo terá obrigatoriamente de ser ecológico e sustentável e, por isso, desde o primeiro dia, decidimos que só operaríamos com viaturas 100% elétricas”, referiu Djalmo Gomes ao Observador.

Trabalhar com viaturas 100% elétricas, numa altura em que nem tudo nas cidades está preparado para recebê-las, também trouxe algumas dificuldades: durante seis a oito meses a empresa não teve um centro operacional e trabalhou dependente de terceiros para fazer os carregamentos dos carros “Foi um desafio enorme”, explicou o empreendedor. Atualmente, o projeto já conta com um centro operacional próprio, que permite à empresa ser completamente autónoma no carregamento dos carros e conseguir satisfazer as necessidades dos clientes.

Mas nem só de turistas individuais se faz o negócio da Live Electric Tours. A empresa oferece também um produto corporate, ou seja, para empresas que queiram fazer eventos com os seus próprios funcionários. “O que nós fazemos é também ter esta responsabilidade ambiental para quando as empresas quiserem fazer as suas atividades pensarem também que podem fazê-las com respeito ao ambiente e integrar os seus funcionários nesse mesmo objetivo”, concluiu Djalmo.

*Texto editado por Ana Pimentel
*Tive uma ideia! é uma rubrica do Observador destinada a novos negócios com ADN português

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)