Estados Unidos da América

Pablo Ibar volta a ser considerado culpado de triplo homicídio

Um tribunal da Flórida voltou a declarar o espanhol culpado do assassinato de três pessoas em 1994. Ibar está preso há 26 anos e já foi sujeito a quatro julgamentos. Esteve 16 no corredor da morte.

A sentença deste novo julgamento só será conhecida no final de fevereiro

Wavebreakmedia/Getty Images/iStockphoto

Pablo Ibar voltou a ser considerado culpado do assassinato do empresário Casimir Sucharski e de duas bailarinas no verão de 1994. O norte-americano, que tem também nacionalidade espanhola, foi novamente julgado num tribunal do condado de Broward, no norte de Miami, e declarado culpado pelo júri composto por 12 pessoas. Os jurados vão voltar a reunir-se a 25 de fevereiro para decidirem se mantêm a sentença anterior, de pena de morte, ou se a reduzem para prisão perpétua. Ibar esteve 16 anos no corredor da morte.

Será a decisão do juiz, que irá proferir a sentença em fevereiro, que irá determinar o próximo passo a dar pela defesa de Ibar. O advogado Benjamin Waxman explicou ao El País que se o juiz condenar o seu cliente à pena de morte, irá apelar diretamente ao Tribunal Superior da Flórida. Se a sentença for a de prisão perpétua (mesmo que os jurados escolham a morte como a acusação tem vindo a pedir, o juiz pode sempre reduzir a pena), o caso será remetido para o Tribunal Federal. Independentemente do que aconteça no próximo mês, o processo pode arrastar-se ainda durante vários anos, lembrou Waxman, referindo que passaram seis anos desde a primeira condenação de a primeira apelação.

Pablo Ibar, filho de um basco e de uma cubana, foi detido a 14 de julho de 1994 e desde então que tenta provar a sua inocência. Ibar, apanhado pela polícia por causa de uma discussão, um ajuste de contas entre ele, os amigos e uma família do norte de Miami por causa de um negócio de droga, acabou acusado de um triplo homicídio ocorrido algumas semanas antes, a 27 de junho, relatou o El País. Na madrugada desse dia, um grupo de homens invadiu uma vivenda em Broward e assassinaram o empresário da noite Casimir Sucharski e as bailarinas Sharan Anderson e Marie Rogers.

Uma imagem a preto e branco, captada por uma câmara de vigilância que mostrava a cara de um dos assassinos, chegou às mãos do mesmo detetive que tinha detido Ibar a 14 de julho. O homem que surgia na imagem era tão parecido com o espanhol que Paul Manzella não teve dúvidas de que tinha apanhado o assassino de Sucharski. No decorrer das investigações, ainda foi detido um outro suspeito, Seth Peñalver. Apesar de condenado à pena de morte, Peñalver acabou por sair em liberdade depois de o seu julgamento ter sido repetido. Ibar não teve a mesma sorte.

Depois de seis anos de adiamentos e de um primeiro julgamento anulado porque os jurados não foram capazes de chegar a um acordo, Pablo Ibar foi condenado à pena de morte em 2000. O primeiro pedido de recurso, feito em 2006, foi recusado e voltou a sê-lo em 2012. Só em 2016, 16 anos de ter sido considerado culpado, é que Ibar, até então no corredor da morte, voltou a tribunal depois de o Supremo ter dado ordem para que o julgamento fosse repetido. A razão era a defesa ineficaz e o facto de o espanhol ter sido condenado com base em provas débeis e escassas. De acordo com o El Mundo, no novo julgamento, a acusação pediu novamente a morte, salientando a brutalidade do crime e baseando-se no mesmo vídeo que a defesa tem vindo a questionar.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)