Em apenas uma semana, é a segunda morte por suicídio de sobreviventes do tiroteio numa escola de Parkland, na Florida, Estados Unidos. Segundo avançou este domingo a polícia local, um aluno da escola onde ocorreu o tiroteio em fevereiro do ano passado, a secundária Marjory Stoneman Douglas, morreu.

Era Calvin Desir, de 16 anos, de acordo com o El Mundo. O aluno perdeu a vida na noite de sábado, e as circunstâncias da morte estão a ser investigadas. Tudo apontará para um caso de suicídio.

O pai de uma adolescente de 14 anos que morrreu no tiroteio contou ao jornal Miami Herald que o jovem terá posto termo à vida com um disparo na cabeça.

Esta morte surge quase uma semana depois da morte de Sydney Aiello, outra sobrevivente do tiroteio que provocou 17 mortos: 14 estudantes e três funcionários. Aiello tinha 19 anos e suicidou-se com um disparo na cabeça.

Tiroteio em escola na Florida provoca 17 mortes

A jovem, que estaria na escola no dia do ataque, mas não no local concreto em que ocorreu o tiroteio, perdeu um dos seus melhores amigos no ataque. Segundo contou a sua mãe à CNN, Aiello foi diagnosticada com stress pós-traumático e sofreu o que é conhecido como a “culpa do sobrevivente”.

Depois de ter sido noticiada que mais um jovem sobrevivente do ataque a uma escola secundária da Florida morreu, um ex-estudante daquele estabelecimento — que depois do ataque se tornou numa das principais vozes pelo movimento por um maior controlo das armas — lamentou o sucedido.

Na sua conta da rede social Twitter, David Hogg escreveu: “Quantas crianças mais têm de ser retiradas de nós por suicídio para que o governo/o ambiente escolar faça algo? Descansem em paz 17 + 2”.