Rádio Observador

Espanha

Espanha. 65.º Festival de Teatro de Mérida com nove estreias no Teatro Romano

Na edição deste ano, o espetáculo recebe também dança e ópera. "Dionísio" e "Antígona" são estreias, assim como a ópera "Sansão e Dalila". A organização espera receber 1.200 espetadores portugueses.

O festival decorre entre 27 de junho e 25 de agosto em vários locais da cidade espanhola de Mérida

Nove espetáculos estreiam no Teatro Romano de Mérida durante o 65.º Festival Internacional de Teatro Clássico, a decorrer na cidade espanhola de 27 de junho a 25 de agosto, anunciou esta segunda-feira o diretor do certame.

A ópera “Sansão e Dalila”, de Camille Saint-Saëns, pela Orquestra da Extremadura e pelo Coro de Câmara desta província espanhola, abre esta edição da iniciativa que, pela primeira vez, se alarga a outras artes cénicas como a dança e a ópera, disse o diretor, Jesus Cimarro.

Dirigido por Paco Azorín, trata-se de um espetáculo inclusivo que contará com a participação de mais de 400 pessoas de várias associações espanholas, entre as quais a Secretaría del Pueblo Gitano, afirmou o diretor, na apresentação do certame realizada esta segunda-feira no Teatro Romano de Lisboa.

Dois espetáculos de dança, “Dionísio” e “Antígona”, pela companhia de Rafael Amargo e pelo bailarino Victor Ullate respetivamente, são outras das estreias da 65.ª edição do festival. “Velho amigo Cícero”, de Ernesto Caballero, “Périples, príncipe de Tiro”, uma coprodução com o Festival Internacional de Artes Cénicas do Uruguai e do Festival do Mercosur de Argentina, e “Tito Andrónico” de Shakespeare, a encerrar o certame, são outras propostas de teatro. “Prometheus”, de Ésquilo, “Metamorfose”, de Mary Zimmerman, em cujo elenco pontua a atriz Concha Velasco, e “A corte do faraó” completam as propostas de teatro.

Flamenco, zarzuela, música, conferências, exposições, oficinas e mostras de rua são outras propostas do certame, que decorrerá em vários espaços da cidade de Mérida e nos teatros romanos de Medellín, Cáparra e Regina.

Com um orçamento na ordem dos três milhões de euros, Jesús Cimarro pretende que o festival continue no caminho da internacionalização apesar de constituir “uma referência” a nível europeu e da América Latina, já que é o único direcionado para a cultura clássica greco-latina e greco-romana, referiu. “Essência da cultura das artes cénicas de verão em Espanha”, a edição deste ano do Festival de Mérida não conta com nenhum espetáculo em língua portuguesa, mas com uma mostra fotográfica intitulada “Theatrum Mundi”.

Trata-se de uma exposição resultante de sete anos de trabalho de recuperação do Teatro Romano de Mérida, dirigido pelos arquitetos Jesus Martínez Vergel e Rafael Mesa Hurtado e que está patente no Museu do Teatro Romano de Lisboa, de 01 de julho a 30 de agosto, no âmbito da Mostra Espanha 2019 em Portugal.

Segundo Jesus Cimarro, que dirige o certame há oito edições, o Festival de Mérida vai continuar a apostar na cultura, “uma arma poderosa para romper fronteiras”, bem como a apostar no incremento das relações com Portugal, já que o público português é, juntamente com o alemão e o francês, dos que ocupa melhor posição no ranking.

A edição de 2018 contou com perto de 1.000 espetadores portugueses, indicou, afirmando esperar que esse número aumente este ano. “Está cada vez a ir mais gente. Lisboa e Mérida estão muito próximas” e a distância entre as duas cidades percorre-se em duas horas e meia, justificou.

Para a edição deste ano e até ao momento, a organização do certame já vendeu 91.000 ingressos, 200 dos quais a portugueses, acrescentou.

O diretor espera, contudo, contar com 1.200 espetadores portugueses na edição deste ano. De 2012 a 2018, o número de espetadores totais do certame aumentou de 52.000 para 175.000, adiantou, salientando que a iniciativa se tornou “numa referência no sul da Europa e na América Latina”.

Também a conselheira da Cultura e Igualdade da Junta da Extremadura, Leire Iglesias, destacou a importância do festival, alegando que “a melhor forma de entender a arte é a emoção”, além de “a cultura ser o melhor meio para se diluir fronteiras entre povos”.

“Portugal e a Extremadura espanhola têm uma identidade e cultura próximas”, disse, frisando o contributo “enorme” que a cultura tem para a “liberdade, igualdade e inclusão”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)