Rádio Observador

Fiat Chrysler Automobiles

FCA e Renault voltam a negociar acordo de fusão. Com ou sem Nissan?

FCA e a Renault regressaram à mesa das negociações, pois a perspectiva de cada poupar 5 mil milhões de euros é demasiado atractiva. Resta decidir o que fazer com a Nissan, controlada pelos franceses.

A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) deu o pontapé de saída com uma proposta de fusão a 50% com o Grupo Renault, apresentada a 27 de Maio, que depois foi retirada a 6 de Junho pelos italo-americanos, quando perceberam que o Estado francês, que com 15% do capital da Renault é o seu maior accionista, preferia primeiro resolver o mau ambiente entre Renault e Nissan, antes de avançar para um casamento com a FCA. Mas eis que entretanto alguém explicou ao Governo de Macron que a união com o grupo que detém a Abarth, Alfa Romeo, Chrysler, Dodge, Fiat, Jeep, Lancia, Maserati e RAM, entre outras, poderia fazer pender para o lado gaulês a guerra surda que mantêm com os japoneses. Isto, enquanto permitiria economizar 5 mil milhões de euros por ano a qualquer um deles.

Depois deste casa-descasa, eis que o Grupo Renault – que inclui, além da marca francesa, a Dacia, Alpine, Lada e Samsung Motors, possuindo ainda 43,4% da Nissan e 3,1% da Daimler – voltou a sentar-se com a FCA para tentar encontrar uma solução, desejada pelos dois conglomerados industriais. De acordo com a proposta original, a FCA nomearia o chairman e a Renault o CEO, fazendo dela o líder do novo grupo, que seria localizado na Holanda por motivos fiscais. A fusão criaria o 3º maior grupo automóvel mundial, logo atrás da Volkswagen e da Toyota, podendo mesmo passar a ser largamente o líder caso envolvessem igualmente a Nissan.

Enquanto as negociações decorrem com a FCA, um mero consultor da Renault, Toby Myerson, esteve reunido com a administração da Nissan no Japão, no que é um grave destrato dos franceses aos nipónicos. E com razão, segundo muitos analistas do sector, pois o sócio europeu ainda não se terá esquecido do rol de acusações públicas feitas a Carlos Ghosn, (ex-CEO da Renault e chairman da Nissan), numa questão que, a ser verdade – e este ainda é um grande “se” – deveria ser tratada internamente, pelo menos de início. Contudo, a opção dos japoneses foi tentar ganhar, através dos media, o espaço de manobra que perdeu quando (praticamente) faliu e foi salva pela Renault e por Ghosn em particular.

Carlos Ghosn, até Novembro CEO do Grupo Renault, da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi e chairman da Nissan, foi sacrificado pelo fabricante japonês para tentar alterar o peso que detêm no seio da Aliança. Mas, até agora, sem qualquer sucesso

A Nissan pretende que as acusações que formalizou contra Ghosn, o seu responsável máximo, lhe permitam sair do aperto em que a sua própria administração a colocou em 1999, quando à beira da falência teve de aceitar a mão (e o dinheiro) dos franceses. Só que isso teve um preço, que permitiu à Renault deter 43,4% da Nissan, com o correspondente poder de voto, enquanto a Nissan possuía 15% da marca gaulesa, sem poder de voto algum. Mas não só o construtor francês (e o Governo, que representa o maior accionista) não parece inclinado a ceder o controlo da Nissan, como depois de um eventual casamento com a FCA, a Nissan vai ter mais dificuldades em pressionar um gigante que produz 8,7 milhões de veículos por ano.

Se por um lado a FCA e a Renault se estão a esforçar para chegar a acordo, a Nissan, temendo o que vem aí, já está a tentar fazer as pazes com os franceses, especialmente depois da FCA afirmar que os 43,4% que a Renault detém na Nissan são um dos bens importantes para o novo grupo. Numa entrevista ao Financial Times, o CEO da marca japosesa, Hiroto Saikawa, afirmou que “a Nissan deve fazer as pazes com a Renault” e que as empresas “se devem estabilizar e fortalecer”.

Os franceses, pelo seu lado, parecem pouco dados a esquecer ou a desculpar a deselegância de foram alvo – em Novembro quando deram munições à justiça nipónica para acusar e prender Ghosn, que continua a aguardar julgamento –, especialmente porque a Nissan tentou nas últimas semanas fazer aprovar uma alteração à “governance” da empresa, limitando o poder dos accionistas franceses, o que levou o chairman da Renault, Jean-Dominique Senard a informar, por carta, que iria bloquear a votação e qualquer medida que vise beliscar o poder que detêm sobre o fabricante nipónico. Por outro lado, o Governo francês aconselha calma e defende que se normalizem as relações com a Nissan antes do casamento com a FCA, tendo sido exactamente este anúncio que levou à interrupção das negociações a 6 de Junho.

Para alguns analistas do sector, a Nissan sempre pretendeu chamar a si uma importante fatia do ‘lombo’ da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi. Depois de extremar posições e desencadear a detenção de Carlos Ghosn, é bem possível que consiga melhorar ligeiramente o seu peso no grupo, mas os franceses não parecem dispostos a ceder mais do que um simples osso.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)