Rádio Observador

Médio Oriente

Irão nega ter violado direito internacional transportando petróleo para a Síria

Governo britânico disse ter provas de que um petroleiro transportara petróleo iraniano para o regime sírio, violando as sanções da União Europeia e os compromissos com o Reino Unido.

O petroleiro terá descarregado os seus 2,1 milhões de barris de petróleo bruto num local não especificado pelo governo iraniano

SATELLITE IMAGE ©2019 MAXAR TECHNOLOGIES / HANDOUT/EPA

As autoridades iranianas negaram esta quarta-feira ter violado os compromissos com o Reino Unido, por terem permitido o transporte de petróleo para a Síria, como tinha denunciado o governo de Londres.

O governo britânico disse, na terça-feira, ter provas de que o petroleiro Adrian Darya 1 transportara petróleo iraniano para o regime sírio, violando as sanções da União Europeia e os compromissos estabelecidos com o Reino Unido.

O Adrian Darya 1 foi detido em julho pelos fuzileiros navais britânicos, em Gibraltar, por suspeitas de transporte de petróleo para a Síria, um país sob sanções europeias, só tendo sido libertado após receber garantias de Teerão de que aquele país não era o destino final do navio.

O Reino Unido convocou mesmo o embaixador iraniano em Londres, Hamid Baeidineyad, para apresentar um protesto formal contra esta violação dos acordos internacionais. Baeidineyad respondeu esta quarta-feira, através da rede social Twitter, que o petróleo do Adrian Darya 1 foi vendido “no mar” a um “cliente privado”, rejeitando as acusações de violação das sanções.

Apesar das inúmeras ameaças dos Estados Unidos, o petroleiro vendeu o seu petróleo no mar a uma empresa privada e claramente não violou nenhum compromisso”, disse Baeidinejad, referindo-se às pressões de Washington, que chegou a oferecer uma recompensa ao capitão do navio se o conseguisse aproximar de um qualquer país que estivesse disposto a apreendê-lo.

O petroleiro terá descarregado os seus 2,1 milhões de barris de petróleo bruto num local não especificado pelo governo iraniano, embora ele tenha sido detetado perto da costa da Síria, com o seu ‘transponder’ (que permite a localização exata da posição) desligado.

Na argumentação contra as denúncias britânicas, o embaixador iraniano disse ainda que as sanções europeias não se aplicam ao Irão, rejeitando assim a acusação feita terça-feira pelo ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Dominic Raab, de que Teerão teria permitido um ato que violava os tratados.

O governo britânico considera que o Irão está a violar o direito internacional e prometeu levar esta questão às Nações Unidas, escalando as tensões da crise diplomática entre os dois países, desencadeada pela apreensão do petroleiro em Gibraltar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)