Depois de propor um plano para a Comunicação Social enfrentar as consequências da pandemia, o Observador conta agora com o apoio do Eco e do Multipublicações Media Group, que já subscreveram publicamente o documento enviado ao Governo pela administração do Observador.

“O Eco subscreve a proposta apresentada pelo Observador ao Governo para a definição de um programa específico de apoio ao setor da comunicação social, na sequência da pandemia do novo coronavírus”, pode ler-se num texto publicado esta quarta-feira e assinado pelo diretor daquele título online, António Costa.

No mesmo dia, o Multipublicações Media Group, cujo principal título é a revista Marketeer, tomou igual posição. “Um plano para limitar os impactos dos problemas presentes e não para resolver problemas passados, um plano que não altere as condições relativas de concorrência entre os diversos meios, nem privilegie uns em detrimento de outros”, nas palavras de Ricardo Florêncio, CEO do grupo.

Tornado público na passada segunda-feira, o plano elaborado pelo Observador consiste num “programa específico para o sector, para além das medidas transversais de que já beneficia estabelecidas para a economia e empresas em geral”. Na base deste plano está a concessão de empréstimos sem garantias adicionais exigíveis para além das do Estado, com um prazo de cinco anos com um ano de carência, isentos de imposto de selo e com uma taxa de juro inferior a 1%.