Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, disse esta qurta-feira que, do ponto de vista administrativo, os factos que envolvem a morte de um cidadão ucraniano, Ihor Homeniuk, à guarda do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) no aeroporto de Lisboa, estão “entre a negligência grosseira e o encobrimento gravíssimo“, e assegurou que “tudo isso terá consequências disciplinares”.

“O que aconteceu é gravíssimo, deve ser investigado, apuradas as responsabilidades criminais e administrativas que daqui decorram, tomadas as alterações de procedimento necessárias”, afirmou Cabrita, sublinhando que é à Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) e ao ministério que cabe tirar ilações do ponto de vista administrativo e à PJ que compete a investigação criminal.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.