A tendência tem sido de descida gradual, contudo, os dados divulgados neste sábado pela Proteção Civil italiana mostram que a curva que representa a evolução do surto no país, que é agora o segundo país com mais mortes por Covid-19 a seguir aos Estados Unidos da América, voltou a subir ligeiramente. Nas últimas 24 horas, Itália contabilizou 4.694 novos casos, mais 743 do que os registados no dia anterior, ou seja, um crescimento de 3,2% e o aumento diário mais alto nos últimos seis dias. Neste momento, há pelo menos 100.269 pessoas infetadas no país.

No mesmo período, as autoridades italianas registaram 619, mais 49 do que na sexta-feira, fazendo aumentar o número total de óbitos para 19.468. A subida foi de 3,3%.

Os números revestem-se de otimismo no que toca aos pacientes recuperados. No total, já 32.534 pessoas em Itália resistiram ao novo coronavírus, das quais 2.079 tiveram diagnóstico favorável nas últimas 24 horas, uma subida de 6,8%. No total, desde o início do surto, já 152.271 pessoas contraíram o vírus.

Neste momento, Itália tem mais de 28 mil pacientes hospitalizados e com sintomas. O número de pessoas internadas nos cuidados intensivos é de 3.381, contudo tem vindo a descer consecutivamente nos últimos sete dias. São, este sábado, menos 116 do que no dia anterior, um decréscimo de 3,3%.

A Lombardia continua a ser a região italiana mais atingida, com 1.544 novos casos nas últimas 24 horas e um total de 30.258 infetados neste momento. A região tem ainda o maior número de doentes em cuidados intensivos, 1.174, mas também de recuperados, mais de 16.800. As mortes registadas até agora superam as 10 mil.

De 21 de março para cá, o valor mais baixo de novos casos aconteceu a 7 de abril, com registo de 3.039 novos casos positivos. Já o pico de mortes foi a 27 de março, com 919 óbitos registados, e desde então esse valor não voltou a ser atingido.

Artigo atualizado dia 12 de abril, às 11h, com retificação do número de mortos registados em Itália a 11 de abril: 619 e não 609.