568kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Portugal está mesmo a pedi-las. E estas cascatas também

Este artigo tem mais de 2 anos

Numa altura em que ninguém nos vai parar, porque o país está mesmo, mesmo a pedi-las, junte os amigos, e ponha-se a caminho destes locais top secret. Eis as coordenadas mágicas.

i

Getty Images/iStockphoto

Getty Images/iStockphoto

No verão, todos os caminhos vão dar aos mesmos sítios. A pensar nisso, e em si, fomos descobrir quatro tesouros naturais de Norte a Sul do país, para desconfinar em segurança e com a tranquilidade necessária. Estamos todos a precisar do mesmo: viver os pequenos prazeres da vida. Antes que o mundo as descubra, aproveite a boleia e explore estas quatro cascatas naturais.

Pego das Pias

Não há como prepará-lo para isto. Não foram ainda inventadas palavras para descrever a chegada a este sítio, mas vamos tentar. Escondido no coração do Alentejo, entre Odemira e a vila de São Luís, o Pego das Pias é um segredo bem guardado. 200 metros após passar a ponte sobre a ribeira do Torgal, é através de um caminho de terra batida que a aventura começa. O percurso não tem muito que enganar: daí, poderá seguir a pé até à praia fluvial, caminhando sempre em frente, durante cerca de dois quilómetros e, a certo momento, quando começar a ouvir o som tranquilizante da água, continue um pouco mais. Muitas pessoas optam por fazer o percurso de carro, mas, à semelhança de outras estradas que nos levam até sítios intocáveis, esta também não está em ótimas condições. Mas por esta altura, já deve ter percebido que o caminho não foi em vão.

Ilustração: Hugo Araújo

Já está a sorrir por dentro, apostamos. O Pego das Pias estava mesmo a pedi-las, certo?

Os amigos estão consigo e a hora pede para aproveitar o momento, mergulhar nas águas frescas da ribeira do Torgal, nadar nas piscinas naturais, colocar o barco ou a canoa que trouxe consigo nas águas e fazer-se à aventura, e nada melhor do que uma bebida refrescante para a tarde que aí vem. Fique a saber que a corrente não se sente muito e que é possível aventurar-se entre as formações rochosas, como um Indiana Jones (procure os esconderijos no maciço rochoso, provocados pela erosão da água, e as várias lianas ao longo das margens). O sítio é ideal para relaxar e aproveitar bons momentos longe dos roteiros turísticos. Leve petiscos e snacks, visto que não existem restaurantes ou cafés neste espaço.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Não é todos os dias que reúne as pessoas de quem mais gosta e, por isso, a hora é de brindar e pedir mais disto.

Queda do Vigário

Antes que o mundo a descubra, conheça também a Queda do Vigário: esta é uma paragem obrigatória na freguesia de Alte, no concelho de Loulé. Também conhecida como cascata de Alte, a água deste tesouro natural, com 24 metros de altura, cai num grande lago de águas claras, rodeado de vegetação e rochas de tons alaranjados, como um postal que mostra a natureza no seu estado mais puro.

Ilustração: Hugo Araújo

Feitas as apresentações, estamos prontos para começar a viagem: ora, este é um dos segredos mais bonitos do nosso país, ideal para desconfinar em segurança. Em boa verdade, não é preciso ir para fora, para longe, quando temos tudo mesmo aqui ao lado. Escreva o nome à mão, na sua lista de sítios a conhecer, faça-o como antigamente. Depois de tantos meses confinados, estamos todos a pedir o mesmo este verão: a oportunidade de viver novamente os pequenos prazeres da vida. Apesar de não existirem espaços de restauração, junto à cascata existe um relvado que serve de zona de lazer aos banhistas. Aproveite para descansar dos mergulhos ou até fazer um piquenique com os amigos.

Estacione o carro junto ao cemitério e faça-se ao caminho através de uma descida de 300 metros muito íngreme. Sol quente na pele e uma mini estavam mesmo a pedi-las depois de um dia em cheio, não é? Certifique-se só que não deixa as bebidas no carro. Imagine o que seria ter de voltar lá acima…

Cascata de Fervença

Bom, não diga que fomos nós a contar-lhe, mas não é todos os dias que encontramos um sítio destes. A viagem prossegue por novas coordenadas, rumo a outro local secreto. Ora, este sítio está mesmo a pedir grandes aventuras entre amigos, aquelas que dão boas histórias para alimentar os jantares o resto do ano, e também um trago de cerveja bem gelada, na pausa da conversa. A 30 minutos de Lisboa está localizada a Cascata de Fervença, a maior e mais bonita do concelho de Sintra. Pouco conhecida e escondida dos olhares turísticos, esta imponente queda de água, que cai sobre a rocha da serra numa altura de cerca de 20 metros, atrai curiosos que querem explorar locais fora dos roteiros mais populares. Perdida na freguesia de Fervença, e conhecida também por Cascata da Bajouca, este tesouro natural está abraçado por uma paisagem encantadora muito verde, riachos e trilhos sinuosos. Tire o pó da máquina fotográfica e registe os melhores momentos.

Ilustração: Hugo Araújo

No cruzamento para a Terrugem, muito perto do restaurante Retiro do Baião, existe uma seta a indicar o caminho para a cascata, que fica a 200 metros desse local. O Verão está a pedi-las. E a Cascata de Fervença também.

Cascata Fraga da Pena

Eles vêm para cá, eles dizem coisas bonitas, eles vêem com novos olhos o que para nós já é história. Ouvimos os estrangeiros dizer que vivemos no melhor país do mundo, bora acreditar? Agora, e porque este é o ano de viajar cá dentro, vamos fazer a nossa parte? A Cascata Fraga da Pena, localizada em plena área protegida da Serra do Açor e a 15 minutos da aldeia de Pardieiros, deslumbra pelo cenário místico. Este refúgio natural, provocado por um acidente geológico, é o local ideal para desfrutar de um dia longe da cidade. O desnível da cascata chega a atingir os 20 metros de altura, e a água precipita-se em várias piscinas naturais sucessivas, ladeadas por pedra, especialmente xisto. Caminhe na área envolvente e atravesse as pontes, enquanto admira este cenário idílico,

Ilustração: Hugo Araújo

A água pode ser muito fria, por isso, se não se sente com coragem para mergulhos, estenda a toalha nas grandes pedras junto à margem, e desfrute da tranquilidade deste local secreto. Bom, se ainda assim tem vontade de experimentar a temperatura da água, arrisque, e quando regressar a terra envolva-se na toalha. Depois de tanto esforço, uma Sagres fresquinha estava mesmo a pedi-las, não era? Se se esqueceu de música, não tem problema. Não existe melhor cantiga que o chilrear dos pássaros, garantimos.

Neste verão, é necessário levar os amigos por caminhos pouco conhecidos, praticar o espanto, criar novas histórias. Acredite em nós: Portugal está mesmo a pedi-las. Agora é connosco.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.