Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Fox News “convidou a sair” Chris Stirewalt, o jornalista que transmitiu, na noite eleitoral dos EUA, a projeção de que Joe Biden iria vencer no estado do Arizona (como depois se confirmou), arrematando os 11 votos no colégio eleitoral que, a dada altura, pareciam ser absolutamente decisivos para o resultado final. Essa projeção lançou o pânico na campanha de Trump e a pressão sobre a Fox News (e os dirigentes responsáveis) subiu quando o governador do estado do Arizona, o republicano Doug Ducey, escreveu no Twitter que era “muito, muito cedo para determinar o vencedor no Arizona”.

A cadeia televisiva que pertence ao império do australiano Rupert Murdoch, conhecido apoiante de Trump, não confirmou a saída do jornalista, por razões de confidencialidade, mas Stirewalt não terá sido a única “vítima”: Bill Sammon, de 62 anos, era o chefe de redação da Fox News em Washington DC e anunciou esta segunda-feira que vai reformar-se. Era Sammon que estava a liderar a decision desk – a “mesa central” que seguiu a contagem dos votos – quando a televisão avançou que Biden iria vencer no Arizona.

Essa projeção foi feita às 23h20, hora da costa leste dos EUA, da noite eleitoral, num momento em que outras cadeias televisivas estavam inclinadas a avançar com a mesma projeção mas preferiram não o fazer até que os números apontassem de forma mais clara para um resultado. Três horas depois, a agência Associated Press também viria a “dar” o Arizona a Biden mas o facto de ter sido a Fox News – logo a televisão favorita de Trump – a fazer uma projeção tão simbólica para aquela eleição, porque foi o primeiro estado que Trump tinha recuperado em 2016 e que, assim, voltava para os democratas.

Dois dias depois de ter avançado com a projeção, o jornalista Stirewalt disse no ar, quando se confirmava a vitória de Biden naquele estado, que “a Arizona está a fazer exatamente aquilo que antecipávamos que iria fazer, nós continuamos serenos e limpos”. Desde meados de novembro que o jornalista não aparecia nos ecrãs da Fox News.

E não terá sido apenas Trump que ficou furioso com a Fox News. O “patrão”, o magnata Rupert Murdoch, também terá dito a pessoas próximas que a forma como a Fox News geriu aquela noite eleitoral (e os dias seguintes) contribuiu para que à Fox ficasse colada uma imagem de que estaria a “torcer” pela vitória de Biden. Além das saídas de Stirewalt e Sammon, mais 20 outras pessoas vão abandonar a estação num esforço de “reestruturação pós-eleitoral” que o canal decidiu fazer.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR