Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Alec Baldwin quebrou o silêncio e o marido de Halyna Hutchins também. “Um acidente trágico”, escreveu o ator no Twitter, horas depois de os seus disparos com um revólver terem tirado a vida à diretora de fotografia de “Rust”, durante a rodagem do filme no Novo México. O acidente, que aconteceu na quinta-feira, também deixou ferido o realizador Joel Souza. “Falei com Alec Baldwin e ele está a apoiar-nos muito”, disse Matthew Hutchins, o viúvo de Halyna, que tinha 42 anos.

Para já, a polícia não fez quaisquer detenções relacionadas com o acidente, mas não descarta a possibilidade de vir a formalizar acusações, caso se justifique. As autoridades policiais frisam que esta é uma investigação criminal em curso e que as testemunhas ainda estão a ser ouvidas.

Foi já depois de começarem a circular as primeiras imagens de Alec Baldwin, que mostravam o ator com ar destroçado após o interrogatório policial, que a sua reação surgiu nas redes sociais. “Não há palavras para expressar o meu choque e a minha tristeza em relação ao trágico acidente que tirou a vida de Halyna Hutchins, uma mulher, uma mãe e uma colega admirada”, escreveu na sua conta pessoal do Twitter.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O ator, de 62 anos, garantiu, esta sexta-feira, que está a cooperar com a investigação policial para que se possa “entender como é que esta tragédia aconteceu”.

“Estou em contacto com o seu marido, oferecendo-lhe apoio e à sua família”, escreve Baldwin, dizendo estar de “coração partido” por Matthew Hutchins, pelo filho e por todos aqueles que conheceram e amaram Halyna Hutchins.

[Imagens de Alec Baldwin no estacionamento ao lado do escritório do xerife de Santa Fé depois de ser interrogado na quinta-feira]

O que se sabe sobre o acidente

O acidente aconteceu por volta das 13h50 (17h50 em Lisboa) de quinta-feira e, segundo o gabinete do Xerife do Condado de Santa Fé, a investigação “permanece aberta e ativa”. Segundo o comunicado das autoridades, a arma foi disparado por Baldwin durante a gravação de uma cena que envolvia o uso da arma de fogo. Por enquanto, não se sabe que munição causou a morte de Halyna Hutchins. “Os detetives estão a investigar como e que tipo de projétil foi disparado”, lê-se no comunicado.

Depois de ser alvejada no Bonanza Creek Ranch, rancho que tem servido de palco para a rodagem de dezenas de filmes, Halyna Hutchins foi transportada de helicóptero para o Hospital da Universidade do Novo México, mas não resistiu aos ferimentos.

O realizador do filme, Joel Souza, de 48 anos, ficou ferido e foi assistido no centro médico Christus St. Vincent, nos arredores de Santa Fé. Segundo a imprensa norte-americana, foi atingido num ombro e já saiu do hospital.

Alec Baldwin. Uma overdose, sucesso depois dos 50 e um acidente mortal que pode mudar tudo

Um porta-voz da produtora do western, a Rust Movies Productions LLC, descreveu a morte como “um acidente”. Em comunicado, a produtora acrescentou que todas as pessoas que trabalham no set estão “absolutamente devastadas” e enviam condolências à família de Halyna.

A produção do filme ficou adiada por um período indeterminado de tempo, durante o qual a produtora cooperará “inteiramente” com a investigação. Todas as pessoas que trabalham no filme receberão apoio enquanto “processam este acontecimento horrível”, conclui a nota, citada pelo The New York Times.

Mundo do cinema reage. “Não é justo”

“Estou tão triste por perder a Halyna. E tão furioso por isto poder acontecer num set de filmagens”, escreveu no Twitter Adam Egypt Mortimer, realizador do filme Archenemy (2020), do qual Halyna Hutchins foi diretora de fotografia.

Já a argumentista Caitie Delaney, da conhecida série de comédia Parks & Recreation, lamentou o sucedido e  disse não ser justo que Alec Baldwin seja a cara desta tragédia. “Ele não foi o responsável por carregar aquela arma. A segurança nos set tem de ser levada muito mais a sério

“Terei saudades tuas, minha amiga… isto é devastador”, escreveu o realizador James Cullen Bressack, partilhando um vídeo que a própria Hutchins tinha publicado há dias, com referências à rodagem de “Rust”: “Uma das vantagens de filmar um western é andar de cavalo no dia de folga.”

No Twitter, o realizador prometeu “nunca mais usar nada além de pistolas de pressão de ar e balas de borracha” nos seus filmes. “Isto nunca deveria ter acontecido.”

Elijah Wood, ator de “O Senhor dos Anéis”, também apresentou as suas condolências no Twitter, referindo-se ao caso como um incidente “absolutamente horrífico e devastador”. Já a estrela da comédia “The League” Paul Scheer exigiu responsabilidades: “Há tantas regras para assegurar que isto não acontece. Nem consigo perceber como é possível. Tantas pessoas tiveram de ser negligentes. Isto é um crime. A Halyna era um talento tremendo. Estou enojado.”

À conta oficial de Instagram de Baldwin começaram a chegar manifestações de solidariedade de muitos fãs, que lamentam o sucedido e desejam “paz” ao ator.

Em comunicado, a International Cinematographer’s Guild descreveu a notícia como “devastadora”, lamentando a “terrível perda” da diretora de fotografia. “Os detalhes não são claros neste momento, mas estamos a trabalhar para saber mais, e queremos uma investigação completa a este evento trágico”, referiram o presidente desta associação, John Lindley, e a diretora-executiva, Rebecca Rhine.

Halyna Hutchins nasceu na Ucrânia e cresceu numa base militar soviética. Estudou jornalismo em Kiev e cinema em Los Angeles. O site de cinema IMDb lista 49 produções (televisão e cinema) em que esteve envolvida. Foi descrita como uma “estrela em ascensão” pela revista American Cinematographer.

Caso reacende debate sobre armas nos filmes

“Ninguém deveria nunca ser morto por uma arma num set de filmagens. Ponto.” A mensagem é de Shannon Lee, irmã de Brandon na conta de Twitter de tributo ao ator que morreu com 28 anos. O acidente que envolveu Alec Baldwin trouxe à memória a tragédia do filho de Bruce Lee, que perdeu a vida durante as filmagens de “O Corvo”, em 1993.

Nessa altura, também uma arma de adereço estava carregada com uma bala verdadeira que terá ficado presa no cano do revólver, sem que ninguém se apercebesse, mesmo durante a limpeza da arma e do novo carregamento. Shannon Lee deixou uma mensagem de condolências às famílias das vítimas e a “todos os envolvidos”.

Já em 1984, durante uma brincadeira, o ator Jon-Erik Hexum disparou contra si próprio, na cabeça, fingindo jogar à roleta russa e morreu. Dessa vez, não foi uma munição real, mas os papéis com enchimento plástico que são usados para selar a pólvora dentro dos revólveres. Por ter sido disparado na têmpora, e apesar de não ter perfurado o crânio, o impacto fez com que um pedaço de osso do crânio penetrasse no cérebro, causando uma hemorragia fatal.

O facto de um acidente como este ter voltado a acontecer, está a trazer de novo para a ordem do dia a discussão sobre o uso de armas nos sets de filmagem.

Tweet antigo torna-se viral

Com o grande impacto que o caso teve nas redes sociais, voltou a circular um tweet antigo de Baldwin. A 23 de setembro de 2017, o ator interrogava-se, naquela mesma rede social, sobre qual seria a sensação de matar alguém “injustamente”. A interpretação que está a ser feita por alguns utilizadores é que Baldwin estaria a comentar a notícia da altura — quando um polícia disparou sete vezes contra um homem num parque de estacionamento —, assumindo que a morte, para além de injusta, teria acontecido por engano do agente da autoridade. Daí o paralelismo que está agora a ser traçado, embora os contextos sejam muito diferentes.

Fosse qual fosse a intenção de Baldwin, certo é que graças às redes sociais o tweet foi recuperado, sendo ora acompanhado de ataques ao ator, ora de mensagens de apoio.

Escrito e realizado por Joel Souza, “Rust” conta a história de um marginal, Harland Rust, interpretado por Alec Baldwin, que vem em auxílio do neto, de 13 anos, condenado a ser enforcado por homicídio.

Baldwin, de 63 anos, tornou-se particularmente popular nos EUA nos últimos anos pelas imitações de Donald Trump no programa “Saturday Night Live”, mas é conhecido por muitos papéis em séries de televisão e filmes já desde os anos 1980, sendo o mais velho de uma família de quatro irmãos, todos atores.