Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Duas escolas da cidade de Perth, na Austrália, decidiram cancelar uma produção conjunta e escolar do musical “Grease”, na sequência de queixas de alunas que consideraram que se tratava de um musical em que a representação feminina está datada e desajustada aos tempos atuais. Consideraram-na até anti-feminista.

De acordo com o jornal The Australian, as jovens alunas do Presbyterian Ladies’ College, um colégio interno e privado exclusivamente para raparigas, consideraram a peça pouco apropriada para os tempos atuais, vendo-a mesmo como sexista, ofensiva e anti-feminista. As queixas foram aceites pelo diretor do Scotch College, também um colégio interno, privado e presbiteriano mas este exclusivo a rapazes, que acedeu a que a produção conjunta não fosse levada a palco.

O musical deveria ser apresentado por alunos das duas escolas, que frequentam o ensino secundário — mais especificamente, alunos do 8º ano ao 11º ano. Será agora substituído por uma apresentação de outra peça, ainda por definir.

Numa declaração conjunta, citada pelo The Australian, a reitora da PLC, Cate Begbie, e o diretor do Scotch College, Peter Burt, explicaram que “um conjunto de estudantes da PLC expressou as suas preocupações sobre se o musical seria apropriado para os tempos modernos” e o Scotch College “ouviu respetivamente as preocupações das raparigas, tendo as duas escolas acordado que um musical diferente seria mais adequado para a produção conjunta”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Muito popular, em especial nos anos 1970 e 1980, “Grease” começou por ser um musical (estreou-se em 1971 em palco) tendo sido posteriormente adaptado ao cinema em 1978. O filme teve os atores John Travolta e Olivia Newton-John como protagonistas. Quer o musical quer a longa-metragem retratam a história de dois jovens que se apaixonam no verão e se encontram depois numa mesma escola secundária.

Apesar do sucesso popular e comercial quer do musical quer da sua adaptação ao cinema, “Grease” tem vindo a ser criticado nos últimos anos pelo seu conteúdo alegadamente sexista e misógino. A atriz Olivia Newton-John chegou mesmo a reagir a essas críticas, considerando que o filme é apenas um “musical divertido” e não deve “ser levado tão a sério”. Olivia Newton-John lembrou também que se trata de um filme “que foi feito nos anos 1970” e que se passa “nos anos 1950”.