819kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

GettyImages-1178130725
i

Getty Images

Getty Images

CPCJ acompanharam quase 80 mil crianças e jovens em 2023 — um aumento de 7%. Negligência e violência doméstica são situações mais comuns

Dados mais recentes confirmam "tendência crescente" no número de crianças e jovens que são sinalizadas e acompanhadas pelas CPCJ. Maioria das sinalizações são por negligência e violência doméstica.

As Comissões de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) acompanharam quase 80 mil crianças e jovens em Portugal durante o ano de 2023, um aumento de quase cinco mil em relação ao ano anterior e um dado que confirma uma “tendência crescente verificada desde 2020“.

Os dados constam do relatório anual da Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens (CNPDPCJ), que reúne todas as CPCJ do país, que foi apresentado esta quarta-feira durante o encontro anual de avaliação da atividade das CPCJ em 2023, que decorre na Covilhã.

De acordo com o relatório, passaram pelas mãos das CPCJ durante o ano de 2023 um total de 84 196 processos de promoção e proteção, aos quais têm de ser subtraídos 4685 processos por “razões de duplicação processual”. No fim de contas, as CPCJ acompanharam um total de 79 511 crianças e jovens em 2023, mais 6,7% do que no ano anterior.

O relatório aponta ainda que 51 764 processos foram iniciados em 2023 (42 622 novos e 9142 reabertos), sendo que os restantes já vinham do ano anterior.

79511

As CPCJ acompanharam um total de 79 511 crianças no ano de 2023. Foi um aumento de 6,7% face ao ano anterior, que confirma uma "tendência crescente" desde 2020.

54746

Durante o ano de 2023, as CPCJ receberam um total de 54 746 comunicações de situações de perigo envolvendo crianças e jovens, que conduziram à instauração de 42 622 processos.

14284

De entre os casos acompanhados pelas CPCJ, um total de 14 284 resultou na proposta de aplicação de medidas de promoção e proteção.

Este número resulta de um total de 54 746 comunicações de situações de perigo apresentadas durante o ano passado (são mais do que o número de processos abertos porque, como nota o relatório, pode acontecer que haja mais do que uma comunicação de perigo relativa à mesma criança). Trata-se, de acordo com o documento, de um aumento de 10,5% relativamente ao número de comunicações apresentadas às CPCJ em 2022.

Negligência e violência doméstica são as situações mais comuns

O relatório anual também se debruça sobre as várias categorias de perigo a que foram sujeitas as crianças e jovens acompanhadas durante o ano de 2023. De acordo com o documento, a negligência e a violência doméstica “constituem as categorias de perigo mais representadas nas comunicações recebidas, invertendo a tendência dos anos anteriores”.

As comunicações chegam às CPCJ por diferentes vias, com especial destaque para as Forças de Segurança e os estabelecimentos de ensino, que continuam a ser as duas principais fontes de origem das denúncias.

Segundo o documento, mais de um quarto das sinalizações (26,8%) diz respeito a jovens com entre 15 e 18 anos. Segue-se o escalão dos 11 aos 14 anos, também com cerca de um quarto das comunicações (25,7%). Em terceiro lugar, surgem as crianças mais novas, entre os zero e os cinco anos de idade, com cerca de 23,5% das sinalizações.

O relatório diz ainda que “a distribuição entre rapazes e raparigas é relativamente homogénea“, uma vez que 53,54% das denúncias dizem respeito a crianças do sexo masculino e 46,46% a crianças do sexo feminino.

Quanto aos motivos pelos quais as crianças e jovens são sinalizadas às CPCJ, destacam-se as suspeitas de negligência (17 632 casos) e de violência doméstica (17 001 casos). Houve também 10 370 sinalizações por terem sido detetados comportamentos de perigo na infância e juventude e 6636 casos denunciados por suspeitas de estar em causa o direito à educação.

Os maus tratos físicos foram a razão para 2859 sinalizações e os maus tratos psicológicos para 1928 denúncias.

Por outro lado, houve 1262 casos denunciados por suspeitas de abuso sexual de menores, 533 por abandono, 40 por exploração infantil e ainda 20 crianças sinalizadas por virem de regiões com conflitos armados.

Recebida uma sinalização, a CPCJ realiza uma análise preliminar (que pode determinar logo o encerramento do processo, como sucedeu em 2023 com 6927 casos), a que se segue uma avaliação de diagnóstico. Em 2023, as CPCJ terminaram os diagnósticos de 47 537 casos — dos quais 14 284 resultaram diagnósticos de situações de perigo e em propostas de aplicação de medidas de promoção e proteção.

“Essas crianças, com diagnóstico de situação de perigo e parecer de necessidade de medida de promoção e proteção, são, maioritariamente, rapazes, numa relação de 7676 (53,74%) para 6608 (46,26%), predominantemente com idades compreendidas entre os 11 e os 14 anos de idade (26,20%)”, diz o relatório.

No que diz respeito aos diagnósticos, as situações identificadas pelas CPCJ estão em linha com as causas das denúncias: negligência e violência doméstica são as situações mais diagnosticadas.

Medidas privilegiam manutenção das crianças no meio onde vivem

O relatório apresentado esta quarta-feira revela ainda que, durante o ano de 2023, as CPCJ aplicaram 954 medidas cautelares, mais 86 do que no ano anterior. Trata-se de medidas aplicadas ainda antes da conclusão da fase de avaliação de diagnóstico.

De acordo com o relatório, 87% destas medidas cautelares foram “executadas em meio natural de vida”, ou seja, sem serem retirados do ambiente em que habitualmente vivem. A medida cautelar mais comum, aplicada em 64% dos casos, foi a de apoio junto dos pais.

Por outro lado, ao longo do ano de 2023, foram aplicadas um total de 31 147 medidas de promoção e proteção não cautelares (ou seja, aplicadas já depois do diagnóstico). A esmagadora maioria destas medidas (92,68%) são também implementadas no meio natural de vida da criança, com destaque para o apoio junto dos pais.

Medidas como o acolhimento familiar ou o apoio junto de outro familiar também aumentaram, por oposição a medidas como a confiança a pessoa idónea, apoio para a autonomia de vida e acolhimento residencial, que diminuíram.

O relatório anual traz ainda outros detalhes sobre as crianças e jovens acompanhadas em Portugal durante o ano de 2023. De acordo com o documento, um total de 2665 crianças e jovens acompanhados pelas CPCJ tinha nacionalidade estrangeira, “especialmente oriundas do continente americano (51,52%), em particular do Brasil (99,78%)”.

“No ano em análise constatou-se, também, que 947 crianças e jovens (3,29%) tinham algum tipo de deficiência ou incapacidade, maioritariamente a nível mental ou intelectual (28,72%)”, diz ainda o documento.

O relatório anual foi apresentado esta quarta-feira durante o encontro anual de avaliação da atividade das CPCJ em 2023, uma iniciativa de três dias que decorre no Teatro Municipal da Covilhã até sexta-feira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos