Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Desde que saiu o último livro de Harry Potter que não se via uma coisa assim. A multidão em frente à livraria Waterstones de Piccadilly, em Londres, enchia a rua. O evento de lançamento do novo romance de Margaret Atwood, a aguardada sequela de The Handmaid’s Tale, na noite de 9 de setembro, estava há muito esgotado. Não era de admirar — a expectativa era muita, sobretudo porque tinha sido anunciado que a própria Margaret Atwood estaria presente e que leria excertos de The Testaments, o livro que, ainda sem ser publicado, já se encontrava entre os favoritos a vencer o prestigiado Booker Prize em 2019. Um prémio que parece já tão certo que uma livraria britânica o expôs como sendo o vencedor. “Isso não será decidido até os jurados se reunirem a 14 de outubro”, teve o painel de clarificar. Só na primeira semana, foram vendidos mais de 103 mil exemplares, número suficiente para a editora Vintage garantir que a edição em capa dura (a única por enquanto disponível) é a mais vendida em 2019 no Reino Unido. O livro da autora canadiana ocupa atualmente no número 1 do top de vendas britânico, para onde entrou diretamente.

Esta “loucura” em torno do novo romance de Margaret Atwood (que só deverá ser publicado em Portugal em 2020) deve-se em parte à famosa e galardoada série da Hulu, que se estreou em 2017. Uma nova temporada — a quarta — foi anunciada em julho, a menos de dois meses da publicação de The Testaments, a sequela de uma história sobre um regime totalitarista e teocrata, estabelecido nos Estados Unidos da América depois de um golpe de Estado levado a cabo por fanáticos religiosos que acreditam que as mulheres se estavam a afastar da sua verdadeira função — a maternidade — em prol de uma carreira e de relações pecaminosas com mais do que um homem. Na sua opinião, esta é a principal causa da taxa de natalidade cada vez menor, uma das justificações para o ataque ao governo democrático dos Estados Unidos e à criação de uma sociedade onde os indivíduos estão distribuídos por diferentes grupos e se vestem de acordo com a função que desempenham.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.