762kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Os vencedores, os vencidos e a surpresa da festa de Montenegro

A aparição inesperada de Cavaco foi 'o' momento do congresso. Montenegro aproveitou a festa, Pedro Nuno recebeu grande publicidade, Moedas levantou todos e Rui Rocha virou a pinhata humana do PSD.

VENCEDORES

LUÍS MONTENEGRO

É, inevitavelmente, o grande vencedor da noite. A festa era dele e Luís Montenegro esteve à altura das circunstâncias. Se há um mês alguém apostasse que Luís Montenegro aguentaria a liderança do PSD e estaria na iminência de se tornar primeiro-ministro (ou, pelo menos, de disputar eleições legislativas em condições reais de as vencer) estaria a arriscar. Mas a queda súbita e surpreendente de António Costa mudou tudo. Chegado a Almada, Montenegro conseguiu a proeza e reunir notáveis do partido, de várias sensibilidades políticas, convencer Manuela Ferreira Leite e (sobretudo) Aníbal Cavaco Silva a emprestarem-lhe credibilidade, animou as bases do partido, que se iam queixando de alguma apatia, com um discurso inflamado anti-Pedro Nuno Santos, e falar para o país, com um discurso mais programático, com algumas linhas orientadoras do que será o programa eleitoral do PSD. Acabou a assumir que sabe que “as pessoas esperam mais” dele do que aquilo que foi “capaz de mostrar até agora”, o que lhe valeu um sentido aplauso. Despediu-se dos congressistas sabendo, melhor do que ninguém, que está mesmo obrigado a ganhar as próximas eleições legislativas e que não existem mais vidas para gastar.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

CARLOS MOEDAS

A forma como foi aplaudido do início ao fim por todos os presentes no Congresso do PSD demonstra bem o peso político que Carlos Moedas ganhou, por mérito próprio, depois da conquista da Câmara Municipal de Lisboa. É, sem espaço para discussões, o maior ativo político do partido neste momento e fez valer essas credenciais com um discurso muito ideológico e em nome de todos aqueles que não se conformam. Moedas tem um valor facial ainda mais elevado porque virou uma espécie de talismã para Montenegro: também ele era maltratado pelas sondagens e também dele se dizia que nunca chegaria lá. De cada vez que Luís Montenegro e demais dirigentes sociais-democratas são confrontados com as fracas sondagens e de como estas se enganaram redondamente, lá vem a referência a Moedas. De cada vez que Luís Montenegro e demais dirigentes sociais-democratas são confrontados com as dificuldades em vencer sem uma grande coligação à direita, lá vem a referência a Moedas e a como a Iniciativa Liberal também descartou o PSD em Lisboa. Num momento de alguma desesperança que se instalou no partido, o exemplo acabado de que o partido deve acreditar até ao fim. Resta saber se será possível repetir Moedas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

NUNO MORAIS SARMENTO

O regresso do antigo ministro Nuno Morais Sarmento — depois de anos afastado da vida pública por doença — prometia ser um momento emotivo do Congresso. E as expectativas não saíram defraudadas. Não só demonstrou estar em “grande forma”, como sintetizaria Montenegro, como foi incisivo naquilo que era estratégia do partido: o ataque ao PS, em particular aos socialistas pró-geringonça. A cereja no topo do bolo teve a forma de uma pequena peça metálica, quando Morais Sarmento deu ao presidente do PSD o pin que Sá Carneiro utilizou na campanha com que venceu as eleições em 1979 com a AD. E ainda deixou um conselho para que o espaço não-socialista até ao início da campanha. Ainda há tempo, acredita. Foi ouvido, aplaudido, acarinhado e mostrou que é bastante útil para o partido.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

PEDRO NUNO SANTOS

Se o Congresso correu bem a Luís Montenegro, era lógico que Pedro Nuno Santos fosse um dos derrotados. O candidato à liderança do PS acaba, no entanto, por ser um vencedor acidental: no PSD todos lhe dão uma espécie de vitória antecipada contra José Luís Carneiro. É como se o outro candidato não contasse. Isso é uma vitória para o antigo ministro das Infraestrururas: até os adversários dão como certo que irá vencer a primeira batalha, as internas do PS. Outro ganho de Pedro Nuno Santos é que Luís Montenegro garante que não governa se ficar em segundo lugar nas eleições. Ora, isto significa que o candidato do PS só precisa de ter mais uma décima que o PSD para conseguir governar. É vencedor acidental, mas, ainda assim, vencedor.

Fotografia de arquivo da apresentação da candidatura de Pedro Nuno Santos à liderança do PS, no dia 13 de novembro de 2023.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

VENCIDOS

PEDRO PASSOS COELHO

Num congresso carregado de notáveis, foi o grande ausente da festa de Luís Montenegro. Não é segredo para ninguém que existiu um afastamento progressivo entre a atual direção do PSD, que é composta por muitas figuras que se afirmaram politicamente no passismo, e Pedro Passos Coelho — o que explica que as referências ao antigo primeiro-ministro, antes frequentes, tenham sido raras e vagas nesta reunião magna. A própria relação entre Montenegro e Passos — que chegou a aparecer na Festa do Pontal para a apadrinhar o novo líder do partido — esfriou bastante, para dizer o mínimo. Passos não entende e não compreende algumas decisões tomadas pelo atual líder social-democrata — o posicionamento em relação à despenalização da eutanásia ou cordão sanitário face ao Chega — e Montenegro sentiu necessidade de se emancipar politicamente do criador, sem ignorar que muitos no partido esperavam que caísse no pós-europeias para voltar para os braços de Pedro Passos Coelho. O facto de as eleições terem sido antecipadas mudou todos os cálculos que se iam fazendo e acabaram com qualquer especulação nesse sentido. Ainda assim, a prova dos nove será a 10 de março: só uma vitória permitirá a Montenegro dizer que tinha razão em trilhar um caminho diferente do que aquele que Passos tinha imaginado para o seu herdeiro.

Fotografia de arquivo da campanha interna do PSD num comício onde Passos Coelho discursou na candidatura de Paulo Rangel

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

RUI ROCHA

A “arrogância” de Rui Rocha na forma como afastou coligações pré-eleitorais foi notada por Miguel Pinto Luz e secundada por outros vice-presidentes. Luís Montenegro até poupou os liberais no discurso, mas os vice-presidentes saíram em defesa do PSD em modo rottweiler, apontando o dedo à IL. Três vice-presidentes e o secretário-geral disseram aos microfones da Rádio Observador que a Iniciativa Liberal é que se pôs de fora. E foram mais longe: lembraram o fracasso da IL em Lisboa, quando podiam neste momento ter vereadores na coligação Novos Tempos, e também que contribuíram para o chumbo do orçamento nos Açores (que retira a direita do poder). Rui Rocha, se estava a ouvir, ficou com as orelhas quentes. Ainda assim, nem tudo está perdido: o PSD continua a contar com a IL para o day after das eleições.

O presidente e deputado da Iniciativa Liberal (IL), Rui Rocha, intervem durante a Reunião do Conselho Nacional do partido, que decorreu em Lisboa, 12 de novembro de 2023. Da agenda consta um debate sobre a situação política nacional, um ponto sobre a Convenção Nacional e outro relativo às Europeias, bem como dois momentos de debate sobre o Programa Político e sobre a proposta “Crescimento Sustentável”, em Lisboa, 12 de novembro de 2023. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Rui Rocha, intervém durante a Reunião do Conselho Nacional do partido, no dia 12 de novembro de 2023.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

RIOÍSMO

O riosímo nasceu, em grande medida, para cortar com o legado de Pedro Passos Coelho e afastar o partido daquilo que se dizia ser uma deriva do partido para direita. Apesar de não ter sido validado pelas eleições nacionais — perdeu umas europeias e duas legislativas —, a verdade é que Rui Rio foi legitimado em eleições internas por três vezes, uma delas contra o próprio Luís Montenegro. Parte deste movimento esperava agora que o atual presidente do PSD se estatelasse nas europeias para reagrupar em torno de outro candidato — até de Passos, se fosse preciso. Não aconteceu e agora é tempo de recolher. Com uma agravante: ganhe ou não as eleições legislativas, as próximas listas de deputados serão desenhadas pela presente direção e é provável que o que ainda resta do rioísmo seja varrido do mapa. Salvador Malheiro, kingmaker e vice-presidente de Rio, personificou esse encolher de ombros com um apelo à unidade do partido e um discurso que passou largamente despercebido à maioria dos congressistas. “Não vale a pena olhar para trás, para as pequenas divergências, porque aquilo que temos pela frente obriga a que todos nós sejamos convocados”, despediu-se.

CONGRESSO PSD: Último discurso de Rui Rio como líder do PSD, no 40º Congresso Nacional do Partido Social Democrata (PSD), no Pavilhão Rosa Mota, no Porto. 1 de Julho de 2022 Pavilhão Rosa Mota, Porto TOMÁS SILVA/OBSERVADOR

Fotografia de arquivo no último discurso de Rui Rio como líder do Partido Social Democrata, no 40º Congresso Nacional do partido, no Porto.

TOMÁS SILVA/OBSERVADOR

A SURPRESA

CAVACO SILVA

É muito raro um Congresso de um partido gritar um nome que não seja o do líder, mas todos os delegados, de pé, gritaram a plenos pulmões: “Cavaco, Cavaco, Cavaco”. O antigo primeiro-ministro apareceu de surpresa na reunião magna do PSD e foi aplaudido de forma apoteótica. Subiu ao palco e depois sentou-se para ouvir Luís Montenegro dizer que é ele o exemplo de governação que quer seguir. Cavaco Silva tem um partido que respeita o legado dele. Além disso, precisou de menos de uma hora para conseguir marcar o dia e todo o Congresso. Era talvez a única figura do PSD que o conseguiria fazer. Saiu depois a dizer que tinha “a mulher à espera para jantar”, o que pode fazer com o sentimento de missão cumprida. Já tinha ajudado Montenegro e provado que tem uma popularidade inabalável no partido.

Vote no jornalismo independente.

Assine o Observador com 45% de desconto.

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver oferta

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.