A poucos dias do Natal, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, convidou o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, a ir à Casa Branca esta terça-feira. O principal tema em cima da mesa será o pacote de ajuda financeiro e militar para o esforço de guerra da Ucrânia, que o Partido Republicano no Senado norte-americano bloqueou na semana passada. O líder norte-americano tem multiplicado os apelos aos republicanos — alguns dos quais abertamente contra o prolongamento de ajuda militar a Kiev —, mas até ao momento não teve nenhum resultado concreto.

Com a ida de Volodymyr Zelensky a Washington, o Presidente norte-americano vai novamente tentar colocar pressão para que se chegue a um acordo entre democratas e republicanos. Contudo, a tarefa não se afigura fácil. Devido à época festiva, o Senado deverá suspender os trabalhos a 15 de dezembro, o que deixa uma margem de manobra muito reduzida para conseguir aprovar o pacote de ajuda de 110 mil milhões de dólares (cerca de 102 mil milhões de euros), 61 mil milhões dos quais (aproximadamente 57 mil milhões de euros) seriam canalizados para a Ucrânia, enquanto o restante seria distribuído entre Israel, Taiwan e a política migratória.

[Já saiu: pode ouvir aqui o sexto e último episódio da série em podcast “O Encantador de Ricos”, que conta a história de Pedro Caldeira e de como o maior corretor da Bolsa portuguesa seduziu a alta sociedade. Pode sempre ouvir aqui o quinto episódio e aqui o quarto, o terceiro aqui, o segundo aqui e o primeiro aqui]

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.