1 – As democracia não gostam muito que as maltratem, começam a dar de si. E se estão cansadas como a nossa, esgarçam, como os tecidos velhos. E abrem buracos. Luís Montenegro abriu mais um, na semana passada. Eu bem sei que o meu lado excessivamente institucional se dá mal com a tentação dos fora-de-jogo em que a politica por vezes tropeça, preferindo-lhes eu essa coisa mais prosaica que é o jogo democrático: com as regras, costumes, calendários da democracia que embora a custo, ainda vai vigorando. Não se trata de hipervalorizar meros regulamentos ou enaltecer que a saúde e a vitalidade de um sistema democrático neles se esgotem. Falo antes de uma certa ( e mais digna) lógica nos comportamentos políticos, da necessidade de mais substancia e menos aparelhismo, de mais maturidade e menos pressa oportunística. Do valor do exemplo. Não vale tudo. Já víramos António Costa enxotar Seguro de uma liderança socialista deficiente; vimo-lo depois enterrar os votos nacionais – pulmão do organismo democrático – de quem chegara em primeiro lugar e sobre esse chão erguer um edifício político, tão legal quanto ferido de legitimidade politica mas era o preço. Assistiu-se com pasmo e pena ao “downgrading” do Parlamento, onde todas as astúcias e abusos parecem prática corrente nos senhores deputados da nação e consentida por quem deles é suposto velar. E hoje eis Montenegro “acting” por sua conta, com uma velocidade só igual á infelicidade da dúvida que suscita: que o faz correr agora? E porquê agora e agora como? Esqueceu-se de nos dizer. E o que disse foi inversamente proporcional ao estrépito com que galopou para a sela do PSD (que não a do país). O espectáculo das palavras e dos actos permite porém uma (quase) certeza: tudo ficará igual, mesmo que de início também permita a ilusão de não parecer igual.

2 – António Costa esperou porém que o outro António, detestado rival que lhe empatava a entrada no portão do poder, representasse a família socialista nas eleições europeias desse ano: a democracia seguiu o seu rumo normal. Depois foi-lhe inteiramente indiferente que o resultado não tivesse sido sequer vexatório para o PS: ele, Costa, não podia esperar, perdia de vez, a sua vez. Mas o que interessa é que Seguro, fraco líder da oposição socialista como é hoje Rui Rio, foi a votos: seguiu-se o preceito e a regra, houve avaliação política, o eleitorado falou.

No caso de Montenegro, não: ele e as suas tropas (quem? quais? onde?) tiveram o exclusivo da avaliação. Diz-se que é a política pura e dura, evocam-se grandes substantivos como “desafio”, louva-se a “coragem”. Reina a excitação e o aplauso. Sucede que surge como duvidoso que um militante apressado — mesmo que credenciado, mesmo considerando ele que o seu estatuto de público adversário político de Rio lhe legitima o gesto — decida de pé para a mão, que o seu partido corre o risco de definhar até a irreversibilidade; decida apear agora a liderança, decidindo de caminho que é ele que merece ocupar-se dela. Subvertendo — anulando — a votação no último acto eleitoral interno do PSD, preferindo-lhe a plateia do país. Se Luís Montenegro no Congresso que vitoriou Rui Rio já discordava dele, como aliás sinalizou na sua veemente intervenção, porque optou então por um discurso e não por um confronto directo?

Fê-lo para ir marcando lugar? Para poder vir a dizer que “já nessa altura… etc”? Fê-lo porque está a pensar nele acima de todas as coisas? Não sei. Mas sei que há neste seu timing — e no resto — qualquer coisa de, digamos, algo bizarro.

3 — Já mais que bizarra é actuação de Rui Rio. O fundo da sua actuação mas também a forma: a démarche, a rota incerta, as ideias esparsas, a escolha das prioridades, os silêncios, as omissões, as pausas, as equipas. É até mais inclassificável que outra coisa, porque nunca se percebe bem de que se trata, onde ele se posiciona exactamente, o que quer e com quem. O que é tanto mais gravoso quanto “se” tinha como certo que Rui Rio redimiria o partido do débil oposicionista que era Passos Coelho: não faria o novo oposicionista Rio ouvir o canto dos amanhãs gloriosos no PSD?

Não fez, nunca fez, sem que porém nem por um minuto apeteça desconfiar da sua seriedade. Ou duvidar que tenha algo de parecido com uma visão – a sua – para o país. O que não facilita as coisas de resto, nem a compreensão delas. Um caso? Ou “mais um caso”? (E quem esqueceu o massacre sobre Luís Filipe Meneses, por exemplo, e outros massacres?) Revivendo a tumultuosa história do PSD e a sua insubordinada vida, recordando a sua matriz de permanente confronto interno; as variadas procissões de reis mortos, reis postos, as pródigas e prodigiosas encenações de que sempre foi capaz, dir-se-á que é mais um caso. Mas se recuso absolutamente esboroar a história do PSD, aprisionando-o nessa saga acidentada, esquecendo o seu formidável legado reformista, a sua definitiva importância nas últimas quatro décadas da vida do país, uma influência marcante na sociedade portuguesa, não duvido a que ponto estes episódios ensombram a boa herança: delapidando-a sem piedade, nem necessidade. Já pouco resta, dada a amplitude e a ferocidade da doença, e o que cada vez mais resta são episódios, muito mais que política. Talvez eu exagere e tudo não passe de um pé de vento. Mais um. Não sei. Sei que estamos cansados. “Estamos”, quem?

Os cansados sabem (e os que assinam textos tão impopulares como este, também sabem).

PS: E pensar como tudo o que acima escrevi é desinteressante e medíocre face ao que a Grã-Bretanha deixou ontem à noite na Europa e no mundo: mais perguntas sem respostas afogadas num mar de incerteza.