Rádio Observador

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Autor
  • Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

E o grande vencedor das recentes europeias foram: rufem os tambores, a abstenção! Ok, calma, o tema é batido, por isso o segundo grande vencedor destas eleições foram: voltem a rufar os tambores, os VERDES.

Quem de fato teve um up nestas eleições foram os partidos dos verdes, a agenda verde invadiu a Europa. Alemanha, Finlândia, França, Dinamarca e até em Portugal ergueram a carta da ecologia colocando partidos ecologistas no top três dos mais votados.

O grupo dos verdes vai tornar-se num king maker, pois, apesar de continuar a ser minoritário, ao escolher um dos lados da barricada vai acabar por decidir quem vence.

Isto assume particular relevância nos dias de hoje. Estamos sempre com receio da próxima guerra mundial, que se teme nuclear. Contudo, temos perante nós um desafio muito maior do que evitar uma guerra nuclear. Estamos perante um colapso ecológico.

Estamos a destabilizar a biosfera global. Extraímos cada vez mais recursos e simultaneamente enchemos o planeta de lixo. Alteramos a composição dos solos, da água e da atmosfera e nem nos damos de conta o quão estamos a prejudicar o delicado equilíbrio ecológico. Vejamos, estamos a usar fósforo como fertilizante, que é um excelente nutriente. A questão é que quando usado em excesso torna-se tóxico. Em resumo, a nossa agricultura está a envenenar os nossos rios, lagos e oceanos o que por sua vez arruína a vida marinha. Em bom rigor, quem cultiva milho no Iowa está a matar peixes no Golfo do México.

Seremos a geração que vai fazer desaparecer a Grande Barreira Coral da Austrália e a floresta Amazónica. Podemos mesmo, estar a destruir os alicerces da vida Humana.

Muitos dirão que a Humanidade já passou por eras glaciares ou por eras de aquecimento. Porém, o mundo com a agricultura organizada e com sociedades complexas só existe há 10 mil anos. Disse-se que vivemos no Holeceno. Ora isto, significa que qualquer desvio vais obrigar-nos a grandes ajustes, nunca antes enfrentados.

Ao contrário de muitas outras ameaças, esta é uma ameaça presente e que já começou a entranhar-se no nosso quotidiano e daí a invasão na vida política. E bem.

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados na temperatura mundial. Sim, estes “míseros” dois graus vão conduzir à expansão dos desertos, ao desaparecimento das calotas polares, subida do nível do mar e ao aumento de fenómenos extremados. Sim, tudo isto, vai interferir na nossa produção agrícola e vai tornar muitas zonas inabitáveis o que leva a milhões de refugiados. A realidade de 2018 mostrou-nos que em vezes de reduzirmos as emissões, acabamos por aumentá-las.

Precisamos de fazer o desmame, o mais rápido possível dos combustíveis fósseis. Nos últimos 150 anos o grande motor dos avanços tecnológicos foram os combustíveis fósseis.

A questão que se impõe é que este desmame não condiz com os nacionalismos que a politica tem trazido à tona.

A ação tem de ser global. Nas questões de clima não pode haver soberania. Uma ilha do Pacífico pode reduzir as suas emissões a zero e ainda assim ficar submersa. O nacionalismo isolacionista é perigoso no contexto das alterações climáticas.

O aquecimento global vai atingir países de forma distinta. A Rússia, por exemplo, está pouco preocupada com a subida do nível do mar. Aliás, pode inclusive beneficiar com estas alterações. O Chade tornando-se um deserto árido torna a Sibéria num celeiro mundial. Já a China, o Japão, e a Coreia dos Sul, que são superdependentes da importação de petróleo e gás, o investimento em energia renováveis será o caminho a seguir para se livrarem da elevada fatura dos combustíveis. Por seu turno, a Rússia, o Iraque e a Arábia Saudita que são produtores e exportadores de petróleo e gás irão boicotar todo o desmame de combustíveis. Pois, as suas economias no imediato colapsaram e nenhum governante quer ter esse ónus na sua governação.

O grande foco aqui, se cada um continuar a puxara para seu lado nunca vamos conseguir resolver esta questão. As alterações climáticas parecem uma ameaça distantes e vaga, o que faz com que os nacionalistas deem prioridade aos interesses nacionais, alegando que podem pensar no meio ambiente mais tarde.

Há quem finja sequer que não existe. Mas existe, está aí e precisamos de agir, o mais rápido possível. É aqui que temos de mostrar que estamos todos a defender algo que é de todos. Quando digo todos, somos os quase 7 biliões. Temos de nos informar, mudar hábitos e acima de tudo pressionar quem nos governa. Que a onda verde não seja apenas para inglês ver, até porque estes estão de partida!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Imigração

Eles são como nós?

Inês Pina

Uma adolescente vive na França onde os avós chegaram há 40 anos, fala francês, tem amigos franceses, nunca foi à Argélia, devemos dizer-lhe que não pertence à França e tem de voltar para a Argélia?

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina
120

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Crónica

Serei eu um monstro?

Inês Pina

Cultivamos uma dissonância cognitiva. Se algo acontece e se sentimos que podíamos fazer algo, rapidamente sentimos que há alguém que podia/devia fazer mais do que nós. O que é isto?

Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Alterações Climáticas

A lei do EROI

Marco Robalo

Ouvimos muito falar na esperança em tecnologias, mas este debate foge da realidade e concentra-se em ideias de ficção científica, pois ninguém sabe como resolver as necessidades de consumo instaladas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)