Universidades

Bê-á-bá da crise. As universidades no olho do furacão

Autor

Para ser claro, se existem instituições que merecem todos os cortes financeiros e mais alguns por parte do estado são as universidades. Porém, paga sempre o mais pobre, o ensino básico e secundário.

Poucas dúvidas restam. Vivemos em sociedades do conhecimento. São muitas as evidências: universalização do acesso ao ensino, progressos nas tecnologias de comunicação e informação, expansão do ensino universitário, popularização do acesso aos livros. Outra fonte: a tutela crescente de governos e respetivos gabinetes ministeriais por académicos de carreira, associada à quantidade de especialistas universitários que foi conquistando a comunicação social. Sobra a impressão da transição de sociedades simplesmente escolarizadas para sociedades doutas.

No percurso, o conhecimento universitário foi pulverizando o velho senso comum. Este deixou de resultar de tradições populares depois absorvidas e modeladas pelas elites. O senso comum foi-se tornando cada vez mais gerado “de cima para baixo”. Teorias, ideias, teses, conceitos, pensamentos académicos, científicos ou intelectuais tornaram-se a sua matéria-prima por excelência. Bastam as inescapáveis companhias da rádio, televisão, jornais, cinema, música. Serge Moscovici explicou-nos.

Não significa que nas sociedades do conhecimento os hábitos quotidianos tenham passado a reproduzir as lógicas dos saberes académicos nos seus traços complexos ou sofisticados. Significa apenas, e já é muito, que o senso comum passou a selecionar, simplificar, reelaborar ou produzir caricaturas a partir de uma fonte hegemónica: a universidade. Por vias diretas ou indiretas, mesmo no mais íntimo da vida familiar ou a simples intenção de ouvir comentários a um jogo de futebol, o sentido do quotidiano tornou-se quase em permanência supervisionado por sociólogos, psicanalistas, economistas, psicólogos, médicos, historiadores, politólogos, nutricionistas, pedagogos, ambientalistas, juristas, filósofos, engenheiros, linguistas. Entre outros.

Remetido para a irrelevância ou clandestinidade, o saber de fora da universidade vai soçobrando, incluindo o que dele resta de bom senso, prudência, ponderação. Nem a fé religiosa escapa. Necessita de descodificadores: sociólogos, psicólogos… A ciência é a nossa crença. A universidade o local de culto. Se o saber universitário passou a ser o nosso farol-guia (ainda bem), o seu sentido de responsabilidade social tornou-se inquestionável (muitíssimo mal). Foi o que transformou a nossa crença em fanatismo. E a vida seguia mais ou menos confiante.

Até que a crise – rápida, impiedosa, profunda – deixou quase tudo revolto. Quase tudo forçado a reinventar-se. Quase nada escapa ao olhar inquisitorial de sociedades que procuram responsáveis. Uma das raras exceções ao olhar inquisitorial tem sido o topo da pirâmide: a universidade. Os sintomas de alienação coletiva começaram a revelar-se.

Mergulhadas na crise, as sociedades do conhecimento não evidenciam consciência do quanto vivem desarmadas face aos perigos do conhecimento académico, tanto quanto as sociedades europeias do século XIX e inícios do XX. As últimas, no entanto, despertaram na hecatombe da Grande Guerra (1914-1918). Entenderam no que se tinham metido e por que razões teriam muita dificuldade em sair. Angustiadas, foram adivinhando a inevitabilidade de uma segunda hecatombe bem pior para limparem as heranças más da sofisticação científica e técnica, do aprumo filosófico, da arregimentação das vidas a partir de teorias de intelectuais.

Bem pior estamos hoje. Embatemos violentamente com a cabeça na parede, ainda assim mantemos inabalável a confiança na mão que nos empurrou. Nunca a metáfora da “mão invisível” de Adam Smith fez tanto sentido. O fantasma do “neoliberalismo”, libertado de um castelo imaginado, em nada ajuda. Mas a crise não tem culpa. Cumpre o seu papel. Tudo faz para que vejamos de onde sopram os ventos: das relações entre as sociedades e o tipo conhecimento que as guia. Aí está o olho do furacão. Todavia, as divindades protetoras das universidades – Tempestade e Alienação – turvam-nos a lucidez.

Os académicos também, transfigurados em ilusionistas. Uma parte remete-se ao silêncio. Fecha-se nas universidades, escondida de si mesma. Outra faz-se ouvir e ver todos os dias. Sempre preocupada em orientar a gente comum na descoberta de causas e causadores da crise. Por eles fica claro como água que os maus da fita são os banqueiros, os políticos ou, numa perspetiva mais cirúrgica, a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Nem vale a pena discutir. Apenas anotar que tal arte agudiza os enigmas do enredo porque os lugares-chave da alta-finança e da economia ou os lugares-chave de decisão política há muito que ficaram reservados para os que representam o que de melhor as universidades têm produzido.

O surreal segue imparável. Parte dos académicos destaca-se entre o que mais carregam, em força, contra o poder político. Sentem-se moralmente ultra-autorizados. A urgência é tal que nem tiveram tempo de colocar a mera hipótese académica de os fundamentos do seu saber e as suas atitudes e comportamentos na relação com as sociedades serem os mesmos dos seus pares que há décadas tomaram conta do coração do sistema. Parece tão-só importar-lhes desapear os seus pares do poder. É a sua vez.

Nestes tempos de esquizofrenia, torna-se quase impossível perceber que a crise é, acima de tudo, uma crise de produção, validação, regulação e legitimação dos tipos de conhecimentos que guiam as sociedades. Assim é desde a pré-história. O século XXI acrescenta uma novidade: nas sociedades do conhecimento, os académicos arriscam-se a ser os últimos a dar conta da evidência. Se assim não fosse, há muito que teriam exigido a si mesmos, e às suas universidades, uma profunda reflexão epistemológica que provocasse agitação intelectual dentro das suas instituições. Estas acompanhariam a crise, discutindo entre si o papel do conhecimento e dos académicos em sociedades reinventadas pela crise. Mas para isso as águas não se agitam. Tem sido bem preferível agitar a casa alheia, a praça pública. Não há nojo em invadi-la.

De tão inebriados que vivem consigo mesmos, os académicos disfarçam não dar conta que, por responsabilidades próprias, a sua casa-mãe, a universidade, dá sinais de descrédito social como nunca. Não reverter tal tendência levar-nos-á a todos a redescobrir poços mais fundos nesta ou em futuras crises. Assemelha-se até irrefutável que a popularidade dos académicos depende cada vez mais de se insinuarem próximos (ou críticos) da “direita” ou da “esquerda”, do partido A ou B, e cada vez menos das suas competências científicas ou das universidades de onde provêm.

O filme está para durar porque o trunfo continua na posse dos doutos ilusionistas. Por ingenuidade ou indiferença, a gente comum resiste em perceber que, se as universidades são responsáveis por parte essencial do que é favorável nas suas vidas quotidianas, não são menos responsáveis por parte essencial do que é desfavorável. Pensa-se e age-se como se as universidades não tivessem nada a ver com os maus resultados nas finanças públicas, a má qualidade da legislação e da justiça, a indisciplina e a má qualidade do ensino, a burocracia na gestão da administração pública, o inebriamento pelo betão, a falência de empresas públicas e privadas, os abusos fiscais e por aí adiante. Certas áreas da sociologia e afins nem sequer estão imunes à hipótese de serem indutoras de violência social, assemelhando-se a gangsters científicos.

Em tudo isto não há memória de responsáveis científicos das universidades, enquanto órgãos institucionais, ou do Conselho de Reitores se demarcarem ou mesmo denunciarem o que não tinha suportes fiáveis do ponto de vista académico, científico ou empírico, o que poderia ter a prazo efeitos inversos a meras boas intenções – considerando o muito que passa das universidades para a vida quotidiana. Tal silêncio institucional mereceria integrar o cardápio da habitual turba indignada que, não raro, esses mesmos académicos lideram. Simples opiniões, simples opções ideológicas, decisões apressadas ou mal estudadas vão passando com o carimbo de “estudos académicos”, “investigações universitárias” ou “pareceres de especialistas”. Neste contexto, até agora nenhum diploma, curso ou centro de investigação foi colocado em causa pelos pares. É sempre de fora que soa a campainha da consciência social e cívica do erro.

Para ser claro, se existem instituições que merecem todos os cortes financeiros e mais alguns por parte do estado são as universidades. Porém, paga sempre o mais pobre, o ensino básico e secundário. O último foi desregulado, ao longo de décadas, por teorias de “cientistas” universitários. Nos intermináveis processos reformistas, as universidades nunca falharam no suporte institucional às mais abstrusas engenharias sociais impostas a docentes e alunos do ensino não-superior, o que tem sempre impacto fortíssimo em sociedades de escolarização massificada. Outros que recolham os cacos.

Na substância, militares e académicos não deveriam ser diferentes naquilo que os liga às sociedades. O facto é que os nossos académicos se comportam vezes demais como os militares da Guiné-Bissau. Demasiadas vezes fora do seu espaço, excessos de intervenção sem contenção, falta de ponderação, incapacidade de assumirem e refletirem sobre erros próprios.

Não se contesta que um psicanalista, médico ou jurista intervenha no espaço público para falar de psicanálise, medicina ou leis. Bem pelo contrário. Mas é difícil aceitar que se instrumentalize o conhecimento académico a pretexto de tudo e mais alguma coisa, tanto pior para fazer política. Com isso nada se acrescenta à política, mas diminui-se muito à dignidade da instituição universitária.

Moral da história: a má gestão das sociedades do conhecimento reside na falta de autonomia entre o domínio académico (ou da razão) e o domínio político (ou do poder). Estamos confrontados a ter de retomar no século XXI, ainda que em moldes diferentes, um tipo de desafio dirimido pelos iluministas no século XVIII, na altura resultante da falta de autonomia entre o domínio do conhecimento (razão) e o domínio religioso (fé). Eles resolveram o problema do tempo deles. E nós, três séculos depois?

Feitas as contas à crise, as universidades representam hoje um dos mais bem-sucedidos instrumentos de captura do estado e, bem pior, do Conhecimento pelos partidos políticos.

No pasa nada!

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Livros

No deserto chamado portugalidade /premium

Gabriel Mithá Ribeiro

O que acontece é que os intelectuais quase não saem disto: os pobres de espírito fazem e, nós, intelectuais, pensamos; eles são o corpo e nós a mente. Não pode haver noção mais indigente de sociedade.

Filosofia

Lixo intelectual

Gabriel Mithá Ribeiro

Não ler com sentido crítico grandes sucessos editoriais como os de Boaventura de Sousa Santos ou José Gil é como não querer ver, tratar e minimizar o lixo que as sociedades necessariamente produzem.

Universidades

Ciência e precariedade

António Fidalgo
350

Se as universidades já nem têm dinheiro para os salários dos seus professores de carreira, como podem contratar a tempo inteiro investigadores que a FCT produziu e não soube integrar na economia real?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)