Sem notícias que não cabem na agenda.

23 de Fevereiro. Três jovens ficaram  feridos com gravidade na cara na sequência de uma desordem envolvendo armas brancas, ocorrida nas imediações da discoteca Urban Beach, em Lisboa. Na véspera, 22, tornaram-se conhecidos dois vídeos que mostram agressões entre jovens num parque de skate de São João do Estoril. Numa atitude que já vimos noutras situações semelhantes nenhum dos jovens presentes tenta proteger a vítima. A 20, três jovens foram esfaqueados junto da Escola Secundária Eça de Queirós, nos Olivais, em Lisboa, na sequência do ataque de um grupo de dez indivíduos. O grupo de atacantes pôs-se em fuga logo após as agressões… A PSP só encontrou os feridos. Nem armas. Nem agressores.

O que está a acontecer entre os jovens e crianças? Como é que estes acontecimentos se enquadram no retrato da “geração mais preparada de sempre”? Facas, murros, grande violência… e nem uma palavra sobre esta tragédia? Ou será que esta violência não é uma tragédia? Porquê o silêncio? Miúdas de doze anos espancam-se por causa de “coisas de namorados”. Os rapazes andam com facas. Sempre que se tenta perceber algo mais deparamos com alusões a rixas. Gangs. Conflitos entre gangs. Ajustes de contas. Depois segue-se o silêncio. Esta violência tal como os assaltos aos velhos não está na agenda. E nós só podemos falar daquilo que o Bloco autoriza, que o Presidente declara ser uma tragédia e que as forças vivas da nação a caminho de mais um simposium avisam ser uma chaga e para a qual já existe um guião prévio dentro da chamada luta de mentalidades. Pelo contrário abordar esta violência que  obriga muito frequentemente a entrar no terreno minado das etnias sem a ter certeza de arranjar um “homem branco” para fazer o papel de vilão. Logo as notícias são breves. Ninguém se admira por a polícia não ter detido ninguém. Muito menos se quer saber para onde vão as queixas.

(Entretanto, na Venezuela, Maduro resiste. As ditaduras são todas igualmente más mas as comunistas resistem muito mais na hora da agonia.)

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.