Rádio Observador

Religião

Ciências Sociais e Fé: incompatíveis ou complementares?

Autor

Numa era da "meditação", "rezar na era da técnica", como dizia Gonçalo M. Tavares, pode ser uma ajuda? A pedra de toque é a presença de todos e a partilha de ideias.

Sabemos que o surgimento das ciências sociais no século XIX/ século XX, vem associado a vários filósofos, nomeadamente Durkheim, Weber, Marx, Comte, que, em virtude das mudanças sociais e questionamentos mais frequentes, consideraram que estas deveriam gozar da mesma verificabilidade que as chamadas ciências “exatas”. Também a Doutrina Social da Igreja (DSI), com Leão XIII e a Encíclica “Rerum Novarum” surge como forma de resposta a mudanças e situações sociais novas no mundo, nomeadamente a revolução industrial. O Papa Francisco e a sua vertente social e ecológica não é mais do que um corolário desta doutrina.

Como “terceira via” ao comunismo e ao liberalismo selvagem, surge então o humanismo cristão. Têm estes ensinamentos a finalidade de fixar princípios, critérios e diretrizes gerais no que toca à organização política e social dos povos e nações. Trata-se de um convite à ação. A finalidade da DSI é, em suma, “levar os homens a corresponderem, com o auxílio também da reflexão racional e das ciências humanas, à sua vocação de construtores responsáveis da sociedade terrena” (João Paulo II, Sollicitudo Rei Socialis, 1987).

João Paulo II afirma na encíclica “Fides et Ratio” (sobre as relações entre a fé a razão – 1998) que “na verdade, (a fé) vê, na filosofia, o caminho para conhecer verdades fundamentais relativas à existência do homem. Ao mesmo tempo, considera a filosofia uma ajuda indispensável para aprofundar a compreensão da fé e comunicar a verdade do Evangelho a quantos não a conhecem ainda”. Mais à frente diz, “Tanto no Oriente como no Ocidente, é possível entrever um caminho que, ao longo dos séculos, levou a humanidade a encontrar-se progressivamente com a verdade e a confrontar-se com ela. É um caminho que se realizou — nem podia ser de outro modo — no âmbito da autoconsciência pessoal: quanto mais o homem conhece a realidade e o mundo, tanto mais se conhece a si mesmo na sua unicidade, ao mesmo tempo que nele se torna cada vez mais premente a questão do sentido das coisas e da sua própria existência”.

Se a filosofia é “a mãe de todas as ciências” e pode encetar um diálogo frutuoso com a fé, esta é também outra forma de conhecimento, porque não as ciências sociais realizarem o mesmo diálogo? Tal como as ciências chamadas “exatas”, as sociais e humanas usam o método científico como base para as suas conclusões. A diferença é que estas estudam a vida social dos indivíduos e grupos humanos. Podem as ciências sociais  provar a existência de Deus ou as suas evidências seguem no sentido contrário? Se ciência significa “conhecimento” e se as várias ciências pretendem descrever e conhecer melhor o mundo e as pessoas, pode a fé ajudar nesta compreensão ou é incompatível? Pode o conhecimento do transcendente revelar o “homem”, tal como Pilatos dizia de Jesus Cristo, “Ecce Homo”, (“Eis o homem”), ou a fé é algo que é meramente parte da prática privada de cada um?

Para debater este tema, eis que surge pela primeira vez em Portugal um ciclo de Jantares-Conferência, organizado pelo Centro de Espiritualidade Dehoniana e a PDB Consulting, com a primeira conferência já no próximo dia 17 de Outubro. Conta com um painel de luxo de profissionais de cada ciência social e humana, para nos ajudar nesta reflexão. Desde a história, a filosofia, a gestão, a psicologia, mais do que teoria, gostaríamos de ouvir das suas bocas como veem o papel da fé na compreensão da “sua” ciência e vice-versa. Em que medida a fé os ajuda a compreender a “sua” ciência melhor e, mais, exercê-la melhor no dia a dia ou são campos distintos e não comunicáveis? Por outro lado, essa ciência que os auxilia na procura da verdade, na demanda do conhecimento do homem, que alarga a compreensão das relações e problemas humanos e seus grupos, podem iluminar o intelecto no sentido de os aproximar do mistério? Por fim, em que medida este diálogo nos ajuda a melhorar a nossa vida e as nossas relações?

O Pe. Leão Dehon, fundador da Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos), deu uma especial ênfase do seu trabalho ao estudo e divulgação da DSI. Datado de 1894, o “Manual Social Cristão” de Léon Dehon constitui, porventura, “um dos primeiros e mais autorizados comentários à Encíclica papal “Rerum Novarum”, de 1891, reconhecido de resto pelo próprio pontífice Leão XIII que por várias vezes lho exprimiu mediante calorosas palavras de reconhecimento” (Amaral, António (2018). Léon Dehon: personalismo e ética social-cristã no séc. XIX. In:. CULTUM. Excursos de Hermenêutica, Política e Religião. Covilhã: Editora LabCom.IFP, 235-254).

Muitas mais questões são pertinentes e cabe a estes convidados formulá-las e interpelar-nos com um tema, num tempo em que os “estudos” são lei para compreender tudo, mas que apenas nos suscitam mais perguntas e colocam-nos na demanda de mais respostas. Numa era da “meditação”, “rezar na era da técnica”, como dizia Gonçalo M. Tavares, pode ser uma ajuda?

A pedra de toque é a presença de todos e a partilha de ideias. Que cada um traga as suas questões para os convidados e assim nos ajudarem a trazer mais luz para estes temas.

António Pimenta de Brito é gestor

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

Quem tem um porquê encontra sempre um como

António Pimenta de Brito

Tudo é mais fácil se encontrarmos um sentido. Vou aguentar tudo pois amo os meus filhos e vou providenciar por eles. Vou viver com confiança pois acredito que o conhecimento não é apenas o da ciência.

Democracia

O otimista é o novo revolucionário

António Pimenta de Brito

Não navegar na maionese da desgraça, a qual também é cómoda, pois não nos responsabiliza a encontrar soluções. De resto este é um comportamento muito português, o “contentamento descontente” camoniano

Amor e Sexo

No casamento há mais ou menos sexo?

António Pimenta de Brito

O que estamos a criar, jovens a viver relações virtuais? Uma geração que nunca teve tanta liberdade, arrisca em startups, pouco no amor e não se querem “agarrar"? Verdade, mas isso implica menos sexo.

Racismo

Portugal não era nem é racista

João Pedro Marques

Será o racismo um problema real, tanto no tempo de Vasco Santana como agora, ou foi a nossa noção de racismo que mudou a tal ponto que tendemos a chamar racismo a coisas que o não eram e o não são? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)