Saúde Pública

Depressão?! Isso é psicológico…

Autor
  • Teresa Espassandim
201

Por vezes, acontecimentos de vida negativos marcantes podem gerar reacções depressivas que se distinguem do estar triste pela intensidade, profundidade, prolongamento no tempo e impacto no dia-a-dia.

Ouvimos tantas vezes e, porventura até o diremos, que o frio é psicológico, que a dor é psicológica… como resposta ou comentário a coisas pouco concretas e às quais sentimos necessidade de contrapor relativizando-as. Procuramos ganhar tempo para as enfrentar ou sacudir as sensações que elas nos evocam.

Foi assim que conheci o Luís [nome fictício], um jovem estudante de ensino superior nos seus 26 anos e 8 matrículas de curso, que procurava de forma só aparentemente ligeira, significar o tempo que passou desde que veio para a cidade estudar por incentivo dos pais até que se isolou em casa, fechando-se aos dias e ao mundo a jogar no computador.

Esguio, de rosto pálido, olhar sem brilho e com um sorriso imotivado colado nos lábios dizia-me respirando fundo que “o tempo é psicológico!”. Já não conhecia ninguém na sua Universidade: os colegas, entretanto foram terminando os cursos e partindo; o bairro onde residia continuava tão estranho como no primeiro dia e a namorada do secundário há muito que o havia deixado.

Estava sozinho e só. Apenas jogar pela noite dentro preenchia aquele enorme vazio que o tempo arrastava e a pegajosa sensação de não ter vontade de fazer coisa alguma. Na verdade, tentava calar aquela voz interior que o derrotava logo que acordava, que o fazia crer incapaz do que quer que fosse. Sim, não podia pensar pior acerca de si mesmo!

Nunca fora muito de sair e de grupos, contava-me, e apesar de toda a insistência da mãe para que socializasse e que lhe dizia repetidamente “vai ter com os teus primos que andam sempre a perguntar por ti. Só te interessas pelo computador e pela namorada!…” a saída de casa para longe com a mudança para a Universidade foram um choque com que não soube lidar. “Devia ter falado mais com os meus colegas e aceite os convites que me faziam, mas com as aulas e a matéria a mil que não conseguia acompanhar, só queria fechar-me no quarto e esquecer tudo. Comecei a jogar cada vez mais pela noite dentro e a dormir de dia. Ando todo trocado, mas o silêncio da noite reconforta-me e não tenho forças para lutar…”

A depressão é uma doença mental que afecta todos os anos mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo (OMS, 2017) e em Portugal cerca de 400.000 com mais de 18 anos. Entre os sintomas mais frequentes encontram-se a fadiga e baixo nível de energia, a perda de interesse em actividades que antes eram prazerosas, o humor persistentemente triste, irritável ou de tédio, alterações do sono e do apetite com perda ou ganho de peso, isolamento social, dificuldade em tomar decisões ou problemas físicos como dores de cabeça ou queixas digestivas.

Hoje, o Luís sabe que estar triste é diferente de estar deprimido e que a depressão tem tratamento, o qual se encontra a realizar com consultas semanais depois de ter regressado a casa dos pais. “Tinha muito medo de os desiludir, da reacção deles quando lhes contasse que não fiz nada no curso e que menti” – desabafa.

Passo a passo, com ajuda profissional, vai-se libertando do peso que traz com ele, das amarguras por não ter conseguido fazer melhor e aprendendo outras formas de resolver os seus problemas. Nas consultas, é escutado, compreendido e num ambiente de não julgamento é incentivado a explorar alternativas que progressivamente coloca em prática. Com esta ajuda, o Luís começa a perceber a sua forma de olhar para o mundo, o seu próprio funcionamento e as suas atitudes e reacções ganhando uma maior consciência de si mesmo e com isso um maior controlo.

Foi fundamental que um dos primos tivesse insistido com ele para pedir ajuda quando o encontrou numa festa de família, alheado de todos como sempre, a fazer zapping. Mais recentemente, ficou claro para o Luís que fazer exercício físico o ajudava a sentir-se mais bem-disposto e ainda que contrariado não tem faltado à corrida com os primos que o desafiam… Já não salta refeições e até começou a aprender a cozinhar para se alimentar melhor! Cuidadosamente, diz-me, planeia o seu regresso aos estudos decidido a manter o trabalho em part-time que, entretanto, arranjou.

Por vezes, acontecimentos de vida negativos marcantes podem espoletar reacções depressivas que se distinguem do estar triste pela intensidade, profundidade, prolongamento no tempo e impacto na vida do dia-a-dia. O “tempo” do Luís não volta para trás, psicológico ou não, mas é no aqui e agora que ele está a retomar o controlo sobre ele.

Psicóloga especialista em Psicologia Clínica e da Saúde, Psicologia da Educação, Psicoterapia e Psicologia Vocacional e do Desenvolvimento da Carreira

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estilo de Vida

Viver ou não viver em modo light /premium

Teresa Espassandim

Continuarei assim a encontrar-me com as Carolinas e os Hugos que na fluidez das suas vidas tiveram de desacelerar e ancorar e, por uns tempos, não ir na corrente até saberem para onde e como querem ir

Psicologia

Mais vale prevenir do que remediar /premium

Teresa Espassandim

É crítico que as pessoas à frente de organizações tenham apoio para desenvolverem competências de gestão do stresse, de gestão do tempo, de gestão emocional, de liderança... 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)