Politicamente Correto

Livros para férias (II): Em defesa da Europa, do Ocidente e do sentimento nacional

Autor

Uma proposta de três livros tranquilos que partilham a confiança na civilização europeia e ocidental e na legitimidade do sentimento nacional, conceitos sob fogo das patrulhas “politicamente correcto”

After Europe, de Ivan Krastev (Penn, 2017), é a minha primeira sugestão de leituras estivais, nesta segunda crónica sobre o tema. O título, algo alarmista, não corresponde ao tom ponderado do argumento. Mas corresponde ao olhar não convencional do autor — colunista do New York Times, e académico residente do Institute for Human Sciences, de Viena (que virá a Lisboa a 16 e 17 de Novembro).

Krastev recusa a dicotomia infeliz entre “nacionalismo versus globalismo” e sugere que tentemos compreender os eleitores. Alerta para a importância do sentimento nacional e recorda que ele esteve associado à emergência da democracia moderna. O título After Europe não se refere, por isso, ao fim da União Europeia. Refere-se apenas ao fim da ilusão de que é possível construir o nobre projecto europeu ignorando os sentimentos dos eleitores.

Um argumento semelhante tinha sido meses antes apresentado por David Goodhart em The Road to Somewhere: The Populist Revolt and the Future of Politics (Hurst, 2017). O autor argumenta que a tradicional divisão entre esquerda e direita está a ser gradualmente substituída, ou sobreposta, por uma nova oposição: entre, por um lado, a “identidade adquirida” de grupos dotados de grande mobilidade profissional e residencial que pertencem “anywhere” (a qualquer lugar, digamos assim); e, por outro lado, a “identidade herdada” de grupos com reduzida mobilidade profissional e residencial que pertencem “somewhere” (a algum lugar, digamos assim).

David Goodhart situa-se ao centro-esquerda e foi fundador da revista Prospect — que desde a década de 1990 tem dado voz à esquerda moderada britânica. Tendo sido apoiante de Tony Blair, ele critica hoje o tom altivo com que Blair e os “anywheres” tendem a condenar o provincianismo dos “somewheres”. Recusa a dicotomia infeliz entre “anywheres” versus “somewheres” e procura sugerir caminhos para os reconciliar. À semelhança do argumento de Krastev, Goodhart considera que esses caminhos supõem o respeito pelo sentimento nacional.

Um argumento semelhante, vindo do centro-direita, é apresentado por Douglas Murray em The Strange Death of Europe: Immigration, Identitiy and Islam (Bloomsbury, 2017). O autor, que é vice-director da revista The Spectator, começa por recordar as palavras de Stefan Zweig, nas vésperas da II Guerra Mundial, sobre a “sentença de morte” que a Europa e o Ocidente estavam a passar a si próprios. E argumenta que esse diagnóstico precoce pode agora estar a concretizar-se devido a dois fenómenos simultâneos.

Por um lado, argumenta Murray, assistimos a um inédito movimento migratório de populações. “A Europa está a tornar-se o lar do mundo inteiro”, diz o autor. Isto seria em si mesmo um problema, mas torna-se mais grave porque coincide com outro fenómeno que ocorre simultaneamente, embora tenha origem distinta, sobretudo endógena: “a Europa perdeu a fé nas suas convicções, tradições e legitimidade”.

Sem confiança em si mesma, a Europa e o Ocidente não têm condições para assimilar ordeiramente as vagas migratórias. Esse “choque de culturas” é sobretudo sentido pelas populações nativas europeias com reduzida mobilidade profissional e geográfica — os “somewheres” de David Goodhart — e que por isso têm de conviver diariamente com diferentes, muitas vezes hostis, culturas e religiões dos imigrantes.

Segundo Douglas Murray, um pouco à semelhança de David Goodhart, é esse choque entre, por um lado, culturas nativas enfraquecidas e, por outro lado, vincadas culturas recém-chegadas, que estaria na base do chamado fenómeno populista — a que David Goodhart chamou “revolta dos somewheres”.

Estes são três livros de autores com diferentes posicionamentos políticos — Krastev e Goodhart ao centro-esquerda, Murray ao centro-direita. Mas eles certamente partilham muito em comum.

Desde logo, todos acreditam na civilização europeia e ocidental, bem como na legitimidade do sentimento nacional — conceitos que estão hoje sob suspeita entre as patrulhas ideológicas do “politicamente correcto”. Em segundo lugar, todos acreditam que a expressão política da civilização europeia e ocidental é a democracia parlamentar fundada no primado da lei e no sentimento de pertença nacional — o sentimento que, quando polido pela civilização europeia e ocidental, permite às maiorias respeitarem as minorias e às minorias aceitarem o governo das maiorias.

Em suma, estes são livros tranquilos, com argumentos tranquilos. Não exibem o tom “indignado” que hoje tende a dominar o chamado “debate” público — um debate basicamente tribal e fundamentalmente sobre coisa nenhuma. Creio que podem constituir estimulantes leituras para férias (a que, na próxima segunda-feira, acrescentarei livros de autores portugueses).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Revolução

Recordando Frank Carlucci /premium

João Carlos Espada

Frank Carlucci liderou e simbolizou a mudança da política externa norte-americana que viria a ser vigorosamente consagrada pelo saudoso Presidente Ronald Reagan.

25 de Abril

O triunfo das gaivotas

Helena Matos
990

A gaivota voava, voava… Em pouco tempo as gaivotas controlavam as demais aves. De símbolo da liberdade a gaivota passou a parasita. Uma praga, portanto. Um símbolo da oligarquia do regime.

Eutanásia

Eufemismos mortais

José Miguel Pinto dos Santos
195

Não se escondam propostas como as da eutanásia atrás de expressões eufemísticas ou politicamente corretas. Aliás, “politicamente correto” é um eufemismo para “eufemismo”. E eufemismos estupidificam.

Redes Sociais

Os prisioneiros da literalidade

Maria João Marques
230

Fala-se muito da ditadura do politicamente correto, mas a iliteracia – a autoinduzida e a involuntária – bem como a determinação de negar a realidade também contribuem para a imbecilização dos debates

Incêndios

Ressuscitando

P. Miguel Gonçalves Ferreira sj

Este modo comunitário e personalizado de lidar com a vida é tão diferente de maneirismos ideológicos, de editais sem rosto, de interesses económicos, de leis que a cidade dita para quem vive no campo.

Incêndios

Ressuscitando

P. Miguel Gonçalves Ferreira sj

Este modo comunitário e personalizado de lidar com a vida é tão diferente de maneirismos ideológicos, de editais sem rosto, de interesses económicos, de leis que a cidade dita para quem vive no campo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)