Liberdade de Expressão

Mais Liberdade 43 anos depois

Autor

43 anos depois do momento histórico que abriu as portas à Liberdade e à Democracia em Portugal é triste assistir a momentos como este. Tenha sido por mera censura ou por algum medo.

Recentemente, por ocasião da apresentação do Manifesto Portugal Mais Liberal, em entrevista na TSF, e porque afirmava a necessidade de haver Mais Liberdade em Portugal – Política, Social e Económica, a jornalista questionou da necessidade de mais liberdade política, visto vivermos em democracia.

Na altura dei como exemplo o aumento permanente da abstenção, especialmente eleitoral, mas também a cívica, afirmando que se a maioria da população não participa activamente nas eleições que isso é um sinal de que as liberdades estão em causa.

Se a entrevista fosse hoje, com grande probabilidade teria um exemplo diferente, mas complementar, para dar. Quando um cidadão, que até apresenta créditos académicos e obras publicadas, se vê impedido de apresentar as suas visões e opiniões sobre um tema, ainda para mais um que é uma das preocupações centrais da sociedade mundial na actualidade, numa conferência-debate (e debate pressupõe a disponibilidade do orador para a livre troca de opiniões), é um óbvio sinal que algumas liberdades foram desrespeitadas.

43 anos depois do momento histórico que abriu as portas à Liberdade e à Democracia em Portugal é triste assistir a momentos como este. Tenha sido por mera censura ou por algum medo. O 25 de Abril de 1974 tinha como objectivo terminar com as censuras e os medos. Mas alguns, curiosamente alguns que mais se afirmam donos da liberdade, só demonstram que não conseguem viver ou conviver com a diferença, sobretudo de pensamento e opinião.

O episódio do cancelamento da conferência-debate «Populismo ou Democracia? O Brexit, Trump e Le Pen em debate» que teria como orador Jaime Nogueira Pinto é um episódio triste e lamentável. Seja pela intolerância afirmada de alguns alunos, seja pelo “confortável” amparo da Direcção da Faculdade num medo que não se aceita no mundo actual.

E com este infeliz episódio tive conhecimento de outro recente, ocorrido em Dezembro em outra universidade, a UBI, em que a Direcção da Faculdade sucumbiu à pressão de um contacto de uma embaixada e impediu um núcleo de estudantes de realizar uma palestra sobre o Saara Ocidental. Há diferença nos temas, mas não há diferença na forma cobarde como alguns lidam com a liberdade.

Atitudes destas são umas das várias razões pelas quais me motivei a envolver no projecto da Iniciativa Liberal. São comportamentos destes que justificam que trabalhemos para ter mais liberdade política.

O Manifesto Portugal Mais Liberal é um Manifesto pelas Liberdades. E episódios destes só dão razão à afirmação deste Manifesto, nomeadamente quando refere como direitos fundamentais dos Cidadãos e com as condições essenciais para uma vida responsável e criativa a Liberdade de expressão, a Liberdade de exercício de cidadania ou a Igualdade de direitos e responsabilidades entre Cidadãos, independentemente de ascendência, sexo, raça, origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, educação, situação económica, condição social ou orientação sexual. Assegurando que estes direitos e requisitos só são possíveis através de uma verdadeira democracia, que é inseparável da liberdade política, baseando-se em pressupostos fundamentais como a Defesa do Estado de Direito contra todas as formas internas ou externas de supressão da democracia ou o Respeito pelas liberdades e opiniões das minorias.

O Manifesto afirma ainda que o pleno exercício da cidadania é o complemento necessário da liberdade e cada direito envolve um dever correspondente, o que implica um incómodo para muitos, pois alguns parece que preferem não ter responsabilidades nos seus actos. Mas a Liberdade não pode andar separada da Responsabilidade.

Convém que se perceba, ou pelo menos alguns percebam de uma vez por todas, que a Liberdade não é apenas aquilo que é confortável para o seu ego. Quem quer ser Cidadão tem de saber viver em Sociedade. Se for apenas em Comunidade, onde o pensamento é único, então podem criar muros. Mas para isso têm de acabar de uma vez por todas com as Liberdades. E isso, afirmo com convicção. Dar-vos-á mais trabalho exterminar as Liberdades do que a mim, e a tantos outros estou certo, em conquistar Mais Liberdades.

Fundador da Iniciativa Liberal

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

A mudança (que se impõe) na Europa

Rodrigo Saraiva

Ao invés do que supus, Macron tem desperdiçado as oportunidades para ser um agente da mudança. Aquilo que era um aparente europeísmo tem vindo a mostrar-se um eurocentrismo com toques de egocentrismo.

Internet

Liberdades conquistadas nunca estão garantidas

Rodrigo Saraiva

Que não seja um justo combate por liberdades, como o #SaveYourInternet, a servir de alento àqueles que nos últimos anos têm tentado condicionar os meios de comunicação e destruir o projecto europeu.

Impostos

Sejamos todos Robin dos Bosques

Rodrigo Saraiva
252

O protesto é uma arma da democracia, mas deve estar ligado directamente ao voto e não à violência. Sejamos todos Robin dos Bosques contra o saque fiscal. Há uma diferença entre o imposto e o esbulho. 

Estados Unidos da América

Lá como cá /premium

Pedro Barros Ferreira

Podiam aprender que a “verdade” absoluta que é fornecida pela CNN tem outros ângulos. Mas nada disso interessa quando já se elegeu o inimigo. E se o inimigo se presta a figuras ridículas, melhor ainda

Liberdade de Expressão

Quem tem medo de Neto de Moura?

João André Costa

Tenho medo de Neto de Moura porque também eu não sei se a liberdade de escrever, de me expressar, não é susceptível de um processo em tribunal e hoje em dia já não tenho a certeza de nada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)